19 detidos por crimes económicos, prejuízo para o Estado avaliado em 23 milhões

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Dezanove pessoas foram detidas numa operação que envolveu 111 buscas, no âmbito de uma investigação a crimes de associação criminosa, fraude qualificada e branqueamento de capitais que resultaram num prejuízo para o Estado avaliado em 23 milhões de euros.

Segundo um comunicado da GNR, as 19 pessoas foram detidas nos dias 21, 27 e 28 de junho e a operação foi o culminar de uma investigação realizada pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) durante o último ano.

A operação resultou ainda na apreensão, em todo o território nacional, de 8,4 milhões de cigarros em folha de tabaco e tabaco de enrolar, 29.592 cigarros, mais de 200 mil euros em numerário, 25 armas (de fogo de diversos calibres, bastões extensíveis, matracas e facas tipo borboleta) e 621 munições de calibre de guerra.

No âmbito das 87 buscas domiciliárias e 24 não domiciliárias foram igualmente apreendidos 144 computadores portáteis, torres de computador (CPU) e telemóveis, 31 veículos utilizados para a prática do crime e 432 máquinas industriais e artesanais de triturar tabaco em folha, de entubar cigarros e diversos acessórios utilizados para tal prática.

Os suspeitos foram ouvidos no Tribunal Central de Instrução Criminal, tendo três ficado em prisão preventiva e outros três em prisão domiciliária.

De acordo com a GNR, os suspeitos “constituíam uma rede que se dedicava à aquisição massiva de tabaco em folha, oriunda de vários países, com vista à sua posterior transformação em armazéns e residências que funcionavam como verdadeiras fábricas artesanais e industriais”.

“A atividade conduzida de modo ilegal não fazia pagamento dos devidos impostos, tendo sido calculado pela alfândega portuguesa um prejuízo para o Estado, de 23 milhões de euros em impostos indiretos”, acrescenta a GNR.

A operação teve o apoio dos comandos territoriais de Lisboa, Porto, Santarém e Setúbal, e do Comando Metropolitano da PSP de Lisboa e Setúbal, com um efetivo total de 206 militares, agentes e inspetores.

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?