in

“A minha mãe estava desesperada”: Márcia chora ao ouvir filho a descrever morte de Valentina

Carlos Barroso

 julgamento de Sandro e Márcia, acusados de homicídio qualificado e de profanação de cadáver de Valentina, morta em maio com nove anos de idade, arrancou esta quarta-feira no Tribunal de Leiria com o casal de costas voltadas. Sandro mudou a versão dos factos e diz agora que foi Márcia quem bateu na menina e a deixou moribunda no sofá.

Garante que nada fez, que ainda tentou salvar a filha, mas teve medo de ser preso. Contou a nova versão ao irmão, numa carta enviada para a cadeia, depois de saber que em primeiro interrogatório judicial Márcia lhe tinha apontado o dedo: disse que tinha sido ele a espancar Valentina e que ela apenas não agiu porque teve medo do que poderia acontecer aos outros filhos.

O casal responde também pelo crime de abuso e simulação de sinais de perigo em coautoria, enquanto o pai da criança de nove anos está ainda acusado de um crime de violência doméstica, após acusação de Márcia.

Sandro e Márcia explicaram o que aconteceu na manhã de 6 de maio do ano passado e o que tinha acontecido uma semana antes, quando Valentina foi espancada de tal forma violenta que as marcas ainda eram visíveis quando foi feita a autópsia. Inicialmente, Sandro confessou ter sido ele, mas Márcia reconheceu que sabia. Viu e ouviu os gritos da menina e nada fez para a acorrer.

O filho de Márcia, irmão de afeto da menina, deu o seu depoimento às autoridades na altura em que ocorreu o crime e a gravação foi esta quarta-feira ouvido no tribunal. “Passadas algumas horas ela não se mexia, e depois começou a espumar pela boca”, ouviu-se na sala de audiências.

O processo envolve 26 testemunhas arroladas pelo Ministério Público sendo Sónia Fonseca, a mãe da criança, a primeira testemunha da defesa.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

Deixe uma resposta

Loading…

0

Pais com filhos até ao 1.º ciclo vão poder optar entre teletrabalho e apoio à família

Itália regista aumento de novos casos e admite mais restrições