ADN de fezes de cão analisado para multar donos descuidados

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Deixar os excrementos de cão no chão já dá multa em muitas cidades europeias. Um município espanhol vai mais longe na caça aos donos descuidados e vai analisar o ADN das fezes de cão encontradas na rua.

Parets del Vallès, um pequeno município ma região de Barcelona, faz parte de uma rede de cidades que vai sancionar os donos de cães que deixem os excrementos dos animais na rua através da análise genética.

Os responsáveis municipais, cansados das queixas constantes por causa das fezes de cão espalhadas pelo chão, decidiram implementar um projeto caro, mas capaz de identificar os donos de cão que não cumprem as regras.

“Vimos que este tipo de iniciativas já são levadas a acabo nos EUA, onde as pessoas em algumas localidades têm que apresentar a identificação genética do animal de estimação”, disse ao “La Vanguardia”, Oscar Ramírez, diretor do projeto.

Depois de ultrapassados os términos burocráticos, a cidade desenvolveu uma campanha de apoio aos habitantes para registarem o ADN dos animais. “Passamos dos 700 animais inscritos para mais de 1200”, disse Sergi Mingote, presidente da câmara de Parets del Vallès.

Com o registo dos animais, funcionários da câmara recolhem amostras de excrementos na rua, que depois são enviadas para um laboratório, que as analisa e identifica o proprietário do animal

“Quando nos chega uma amostra, a primeira coisa que fazemos é comprovar se tem um ADN único”, explica Ramírez. “É que pode acontecer que um outro animal tenha urinado em cima da amostra, invalidando, assim, a prova”, refere.

Desde o início do projeto, foram recolhidas oito amostras, mas apenas duas foram penalizadas, já que as outras duas foram descartadas. Os donos dos animais foram sancionados com uma multa de 300 euros.

“Com estas sanções, queremos implementar mudanças de comportamento”, justifica o responsável municipal.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Qual a sua opinião?