Anacom multa Vodafone e Meo por cobrarem desbloqueamentos de telefones

Detectámos que tem um Ad Block ativo

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o Ad Block (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) multou as operadoras Vodafone e Meo em 70 mil e 50 mil euros, respetivamente, por terem cobrado várias vezes a prestação do serviço de desbloqueamento de equipamentos após fidelização.

Numa informação publicada no seu ‘site’, relativa à sua “função fiscalizadora e sancionadora”, a Anacom considerou provado que a Vodafone “cobrou, por dez vezes, valores pela prestação do serviço de desbloqueamento de equipamentos para acesso a serviços de comunicações eletrónicas findo o período de fidelização contratual, […] o que consubstancia a prática de dez contraordenações”.

No caso da Meo, provou-se que esta operadora “cobrou por seis vezes” tais valores, o que corresponde à “prática de seis contraordenações”.

Enquanto a Vodafone “não procedeu ao desbloqueamento de um equipamento no prazo máximo de cinco dias a contar do dia em que o utente solicitou a sua realização”, a Meo “não assegurou as operações necessárias ao desbloqueamento de um equipamento”, explica a Anacom, indicando que, em ambos os casos, as obrigações legais foram violadas “com negligência”.

Também em ambos os casos, de acordo com o regulador das telecomunicações, as operadoras não disponibilizaram “informações adequadas sobre os termos e condições habituais em matéria de acesso e utilização dos serviços que prestam aos utilizadores finais e aos consumidores, explicitando, detalhadamente, os seus preços e demais encargos, nomeadamente sobre períodos contratuais mínimos”.

Estes comportamentos constituem “incumprimento com dolo” da lei, adianta a Anacom.

Estas coimas (de 70 mil e de 50 mil euros) foram aplicadas às duas operadoras no início deste mês, estando a decorrer o prazo para interposição de recurso da decisão.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

Recomendações

Recomendações

Comente, dê a sua opinião!