Arqueólogos descobrem câmara vazia na Grande Pirâmide de Queops no Egito

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Um grupo internacional de arqueólogos descobriu uma nova estrutura no interior da Grande Pirâmide de Queops, em Gizé, a 20 quilómetros sudoeste do Cairo, no Egipto, revela um estudo publicado pela revista “Nature”.

A investigação, dirigida por especialistas do Japão, França e Egito, levou à descoberta de uma grande câmara vazia na maior das pirâmides de Gizé, que pode ajudar a compreender-se como se erigiu este monumento.

Segundo o artigo publicado na Nature, os investigadores afirmam que a câmara vazia ocupa 30 metros dentro da pirâmide, está situada por cima da estrutura denominada “Grande Galeria”, com 46 metros de largura e nove de altura, e tem uma secção transversal similar, segundo a mesma fonte. Aparentemente, esta câmara não está ligada a nenhuma outra estrutura interna.

Os cientistas fizeram a descoberta através de um dispositivo de imagiologia que utiliza raios idênticos aos raios-X, mas mais profundos, capazes de penetrar a rocha. Três equipas de físicos instalaram outros tantos detetores de muões, uma partícula elementar com mesma carga dos eletrões, mas cerca de 200 vezes mais pesadas.

Estas partículas que viajam do espaço, que todos os dias passam por nós sem causar dano, mas são absorvidas pela pedra, permitindo fazer uma espécie de radiografia da pirâmide.

Os sistemas, instalados dentro e fora da pirâmide, detetaram corretamente as galeria já conhecidas e as três câmaras – rainha, rei e a subterrâneaa – e revelaram ainda uma concentração de muões 21 metros acima do solo, concentrados “num grande vazio” de mais de 30 metros de largura e com uma volume, altura e largura similar à da Grande Galeria.

“É absolutamente uma novidade “, disse Mehdi Tayoubi, cofundador do projeto “ScanPyramids” e presidente do Heritage Innovation Preservation Institute.

“Pode ser uma parte de um conjunto de uma ou várias estruturas… talvez uma outra “Grande Galeria”. Pode ser uma câmara, pode ser um monte de coisas”, rematou.

A Grande Pirâmide, a edificação mais importante do Império Antigo, foi construída durante o reinado do faraó Khufu (2550 a 2527 antes de Cristo), o segundo da IV dinastia que o historiador grego Heródoto (485-420 antes de Cristo) chamou Queops.

Os investigadores desconhecem ainda quais as técnicas utilizadas para a construção desta pirâmide, com 139 metros de altura, que durante três milénios foi o edifício mais alto do Mundo.

A agência noticiosa antecipa que esta descoberta irá renovar o interesse pelo Antigo Egito.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Qual a sua opinião?