Ataca idosa com ferro para ter prazer sexual

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Fábio Carvalho, de 25 anos, agiu com “enorme frieza de ânimo, movido pela excitação e satisfação sexual”.

A conclusão é do Ministério Público de Vila Nova de Gaia, que acusou agora o jovem de ter asfixiado uma mulher de 70 anos, até esta perder os sentidos, e de a ter torturado e esventrado com uma barra de ferro de 93 centímetros, a 19 de maio deste ano, em Avintes.

Apesar de ferida, a vítima sobreviveu. O arguido está em preventiva.

A tentativa de homicídio, que ocorreu depois da hora de almoço, foi extremamente violenta. Diz o processo, consultado pelo CM, que Fábio Carvalho ficou a sós com a vítima, numa casa junto a uns terrenos que limpava, e que, sem que nada o fizesse prever, lhe apertou o pescoço até esta desmaiar.

Com a mulher deitada no chão, o arguido pegou na barra de ferro e desferiu-lhe pancadas na cabeça e peito. O objeto foi ainda espetado no pescoço da ofendida.

Fábio baixou depois as calças e cuecas da ofendida e, enquanto se masturbava, introduziu-lhe, com violência, a totalidade da barra de ferro no ânus. A vítima sofreu perfurações nos intestinos e no estômago.

Após o crime, e pensando que a tinha matado, o arguido deixou-a a esvair-se em sangue e voltou ao terreno onde estava a apanhar ervas.

Cumpriu o horário de trabalho até às 17h00, como se nada se tivesse passado.

A mulher esteve várias horas em sofrimento e foi encontrada envolta numa poça de sangue. Foi transportada em estado crítico ao hospital e submetida a várias cirurgias. Sobreviveu e vive atualmente bastante debilitada e com graves sequelas.

Arguido acusado

Fábio está acusado de um crime de homicídio qualificado na forma tentada e violação agravada. “Pretendeu obter satisfação sexual à custa do sofrimento da ofendida”, lê-se na acusação.

Ficou trancada

O arguido foi contratado para limpar um terreno e tinha a chave da casa onde atacou a vítima – que vivia na habitação contígua. Após o crime, deixou a mulher fechada à chave.

Deixou marcas

O arguido pisou o sangue da vítima e deixou um rasto desde a casa onde a atacou até ao terreno que limpava. Fábio Carvalho ficou também com marcas de sangue na roupa que tinha vestida.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

Qual a sua opinião?