in

Autoridade Marítima alerta que contacto com medusas pode provocar alergia

 Lisboa, 13 ago 2020 (Lusa) – O contacto com medusas ‘Velella velella’, que têm surgido em algumas praias, deve ser evitado, pois pode provocar uma reação alérgica e, em casos mais graves, queimaduras ou outras reações, alertou hoje a Autoridade Marítima Nacional (AMN).

 Em comunicado, a AMN indica como se deve proceder em caso de avistamento ou contacto com uma medusa ‘Velella velella’, que é descrita como “organismos gelatinosos de dimensão reduzida que vivem no mar, na coluna de água ou à superfície, e apresentam tentáculos igualmente de pequena dimensão que podem ser urticantes”.

 Assim, caso um banhista aviste uma medusa deve afastar-se, sair da água, evitando o contacto direto, e alertar o nadador-salvador ou as autoridades.

 “Caso tenha tido contacto com estes organismos e sentir uma picada, deve sair rapidamente da água e dirigir-se de imediato ao nadador-salvador”, é acrescentado.

Segundo a AMN, os sintomas associados à picada podem ser dor forte, irritação, vermelhidão, inchaço, comichão e, em alguma situações, sensação de queimadura (calor/ardor) no local.

Para a prestação de primeiros socorros devem ser tidos em conta os seguintes conselhos: não esfregar ou coçar a zona atingida para não espalhar o veneno; não usar água doce, álcool ou amónia; não colocar ligaduras e lavar com cuidado com a própria água do mar.

Caso os tentáculos fiquem agarrados à pele, devem ser retirados com cuidado utilizando luvas, uma pinça de plástico e soro fisiológico ou água do mar.

Se possível, deve ser aplicado bicarbonato de sódio misturado em partes iguais com água do mar ou aplicar frio (água do mar gelada ou bolsas de gelo) no local atingido para aliviar a dor. No entanto, o gelo não pode ser aplicado diretamente na pele, deve ser enrolado num pano.

Se o banhista apresentar sintomas de queimadura na zona afetada deverá tomar um anti-histamínico, aplicar uma camada fina de pomada própria para queimaduras e dirigir-se a um posto médico.

“Em algumas circunstâncias, especialmente nas pessoas mais sensíveis às picadas e venenos das medusas ou águas-vivas (conhecidas por alforrecas), poderão ocorrer reações alérgicas graves, como falta de ar, palpitações, cãibras, náuseas, vómitos, febre, desmaios, convulsões, arritmias cardíacas e problemas respiratórios”, lê-se ainda na nota na AMN.

Estes casos “devem ser encaminhadas de imediato para o serviço de urgência”, é acrescentado.

Nos últimos dias, as praias de Carcavelos e de São Pedro do Estoril, em Cascais, e a praia do Magoito, em Sintra, chegaram a estar interditadas a banhos, depois de ter sido detetada a presença de medusas ‘Velella velella’.

A interdição nas duas praias do concelho de Cascais foi levantada na quarta-feira e, hoje, foi levantada a interdição na praia do Magoito.

No fim de semana, a presença de medusas ‘Velella velella’ tinha também sido registada na Praia da Vieira, na Marinha Grande, distrito de Leiria, o que levou ao hastear da bandeira vermelha e ao desaconselhamento de ida a banhos, medidas que foram levantadas na segunda-feira.

Numa nota divulgada hoje no ‘site’ do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) é referido que, na quarta-feira, foram recebidos alertas sobre outros avistamentos nas praias de São Martinho do Porto, Consolação e Super Tubos, no distrito de Leiria, São Julião (Ericeira), praias Azul, do Mirante e Foz do Lisandro, no concelho de Torres Vedras.

No concelho de Sintra foram avistadas medusas ‘Velella velella’ na praia Grande, praia das Maças e Azenhas do Mar, enquanto no concelho de Almada houve avistamentos nas praias da Riviera e Fonte da Telha.

No distrito de Faro registaram-se avistamentos na praia da Carrapateira (Aljezur) e na praia de Monte Gordo (Vila Real de Santo António).

Anteriormente, o IPMA já tinha esclarecido que “a espécie Velella velella (Veleiro) está de momento a aparecer em pequenas quantidades por toda a costa oeste portuguesa, incluindo em algumas ilhas dos Açores”.

 

Deixe uma resposta

Loading…

0

PJ apreende 400 quilos de cocaína descarregada no porto de Sines

Covid-19: Madeira regista mais dois casos positivos