Banco Alimentar contra a Fome recolheu 1.008 toneladas de alimentos no sábado

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O Banco Alimentar contra a Fome recolheu no sábado, durante o primeiro dos dois dias de campanha, 1.008 toneladas de alimentos, revelou à agência Lusa a presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome, Isabel Jonet.

“É praticamente o mesmo que o ano passado”, adiantou a mesma responsável.

Quanto ao dia de hoje, segundo dia de campanha, Isabel Jonet mostrou-se preocupada que a realização de vários eventos desportivos, designadamente a final da Taça de Portugal em futebol, possa desmobilizar alguns voluntários, pelo que apelou a todos que compareçam na recolha de alimentos, nem que seja depois do horário do jogo.

No sábado, Isabel Jonet havia apelado aos portugueses para contribuírem na internet, caso não o pudessem fazer fisicamente, na recolha de alimentos para os mais carenciados.

“Aquilo que podemos dizer é que além da possibilidade de as pessoas contribuírem fisicamente indo ao supermercado há também hipótese de darem ´online´. Prevê-se alguma chuva para amanhã, se não puderem ir ao supermercado o apelo que deixamos é que vão ao ´site´ http://www.alimentestaideia.pt/ e que doem ´online´ aquilo que iriam doar no supermercado”, disse, na altura, à Lusa.

A recolha de alimentos em superfícies comerciais está a ser feita por mais de 40 mil voluntários dos bancos alimentares, que se destinam a apoiar 420 mil pessoas carenciadas.

Sob o mote “Cada um de nós pode fazer deste dia um dia especial. É preciso mais para que falte ainda menos”, a campanha decorre em 2.000 híper e supermercados, apelando à solidariedade dos portugueses.

A campanha começou às 09:00 de sábado em 21 localidades do país e é “uma mega cadeia de solidariedade que ano após ano se renova”, afirmou Isabel Jonet.

Além dos produtos tradicionais como o leite e as massas, segundo a responsável, há também pessoas a doar o que apelidou de “mimos”, como chocolates ou chocolate em pó para o leite, além de outras que oferecem produtos como fruta em lata ou leite condensado, no entender da responsável certamente pessoas mais idosas, ainda com memórias de guerra e de privações (por oferecerem produtos que têm um grande prazo de validade).

Os 21 bancos alimentares apoiam de forma regular 2.663 instituições, que levam apoio alimentar a 420 mil pessoas com carências comprovadas.

Em 2016, foram recolhidos quase 26 milhões de quilos de comida, segundo os números oficiais. Na campanha do ano passado (como a de hoje) foram angariadas 1.967 toneladas de alimentos, um número que a organização gostaria de poder superar este ano.

Qual a sua opinião?