Bebé de sete meses atirado de ponte pela mãe sobrevive quase ileso

2 25

Um bebé de apenas sete meses de vida que foi atirado pela própria mãe do alto de uma ponte na cidade brasileira de São Luís, capital do estado do Maranhão, sobreviveu praticamente ileso à terrível provação.

A mãe dele, Karla Regina Mendes, “justificou” o seu tresloucado ato alegando ao ser presa que sofre de problemas mentais.

Rafael Coringa, director-adjunto do Hospital Municipal Djalma Marques, mais conhecido como “Socorrão I”, avançou à imprensa que o bebé, identificado como Thayller Lieger Mendes Barros, sofreu apenas escoriações nas costas, provocadas pelo impacto no final da queda.

Apesar desse diagnóstico, os médicos optaram por transferir o bebé para uma unidade pediátrica, para realizar mais exames além daqueles inicialmente feitos no “Socorrão I”.

Thayller vai ser observado durante alguns dias, para os médicos terem a certeza de que a brutal violência por que passou não deixou seqüelas não visíveis inicialmente.

Além disso, ele não terá alta enquanto a justiça não decidir a quem o menino será entregue, já que a mãe claramente não tem condições de continuar a criá-lo.

Thayler foi atirado da Ponte São Francisco, no bairro de mesmo nome, pela própria mãe, que se aproximou do muro de proteção sem ninguém poder imaginar a loucura que ela ia fazer, e, de repente, atirou o menino lá para baixo.

O bebé caiu de uma altura de vários metros e, pela altura e a pouca idade, a violência que sofreu tinha tudo para terminar em mais uma tragédia, mas, felizmente, não foi assim.

Na primeira de uma sucessão de circunstâncias que uns atribuirão a sorte e outros a milagre, Thayler caiu de costas numa área cheia de lama, que funcionou como uma espécie de colchão natural que amorteceu o impacto do pequeno corpo.

Na segunda circunstância de sorte ou milagrosa, Thayler foi atirado da ponte exatamente no momento em que dois polícias passavam em ronda de rotina muito perto do local onde ele caiu, e os agentes socorreram-no imediatamente e prenderam e protegeram Karla antes que ela fosse alvo da fúria de populares.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

  1. Anónimo disse:

    Deus tem um proposito para esta criança disso nao tenho duvida! Foi a mão divina que amparou a queda desta criança.

  2. Anónimo disse:

    Tem que fazer o mesmo com ests louca,maldits

Comente, dê a sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado.