Bebé luta pela vida depois de apanhar herpes com um beijo

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O peque no Parker, menino inglês de apenas 16 meses foi levado pela mãe a três médicos diferentes, que sempre mandaram o bebé para casa com pouco mais do que uma receita para um creme anti-irritações.

Pouco tempo depois o menino estava em estado crítico, tudo porque tinha contraído o vírus do herpes através do beijo de um familiar.

A mãe do menino, Maria O’Neill, natural da Irlanda do Norte, notou que a criança tinha o corpo coberto por erupções cutâneas que “pareciam lixa” e desenvolvia febre.

Na primeira visita ao médico disseram-lhe que era uma alergia e receitaram um creme e, nas vezes seguintes, os médicos disseram que Parker devia continuar o tratamento, garantido à mãe que o bebé “não tinha nada de grave”.

Bebé luta pela vida depois de apanhar herpes com um beijo

Só quando a criança desenvolveu febres altíssimas e perdeu a consciência é que a mãe foi às urgências com o menino.

O bebé Parker foi imediatamente internado e ficou mais de uma semana a antibióticos, medicamentos antivirais e a soro. Foi no hospital que os médicos diagnosticaram o menino com uma estirpe do vírus do herpes.

“Eu disse aos médicos que ele tinha febre há duas semanas e ignoraram-me. Receitaram-lhe um creme! O meu filho correu risco de vida, disseram-me no hospital.

Ao fim de um mês ele ainda não recuperou, porque está com anemia. Continua com um eczema em todo o corpo”, adianta a mãe do bebé.

Maria nem queria acreditar que todo o pesadelo tinha sido causado pelo vírus do herpes. “Possivelmente foi algum familiar ou amigo nosso que lhe pegou. O que um beijo pode fazer… É impensável.

O Parker tem sido um menino muito corajoso”, conclui a mãe do bebé, que divulgou o caso no Facebook e admite avançar com um processo aos médicos que não diagnosticaram a doença ao filho.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

Qual a sua opinião?