in

Bloqueio do canal do Suez por navio gigante encalhado levará semanas a resolver

Twitter

O navio de 400 metros que está encalhado no Canal de Suez, bloqueando o fluxo, pode levar semanas a ser retirado, alertaram as autoridades.

Este bloqueio poderá transformar-se no maior dos últimos anos e desencadeará, inevitavelmente, um aumento dos preços e poderá provocar constrangimentos nas exportações, visto que cerca de 50 navios atravessam aquele canal todos os dias. Esta circulação é responsável por um décimo do comércio marítimo mundial.

A solução é o desvio das rotas pelo Cabo da Boa Esperança, na África do Sul, o que se traduz em enormes custos.

O Ever Given, um navio de três anos de idade e 220 mil toneladas, ficou preso na maior rota de navegação do mundo na terça-feira. Cinco rebocadores estão a trabalhar para o arrastar para águas mais profundas. 

Em novas fotos divulgadas esta quinta-feira é possível ver rebocadores a trabalhar e dragas a tentar limpar a areia e lama que está a prender o navio encalhado.

Peter Berdowski, CEO da empresa holandesa Boskalis, que está encarregue de retirar o navio, disse que ainda é muito cedo para dizer quanto tempo o trabalho pode demorar, mas acredita que possam ser semanas.

As autoridades egípcias reabriram, entretanto, uma passagem antiga do canal para desviar algumas embarcações, dá conta a BBC, mas reabrir o via principal poderá levar semanas, apesar de as equipas que estão no local estarem a trabalhar incansavelmente para desencalhar o MV Ever Given.

A Autoridade Egípcia do Canal do Suez anunciou que pelo menos 150 navios já sofreram com esta interrupção.

Especialistas em transporte marítimo acreditam que, se o bloqueio se mantiver nas próximas 24 a 48 horas, algumas empresas de transporte podem ser forçadas a redirecionar os navios ao redor do extremo sul da África o que aumentará em uma semana o tempo de viagem.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

Deixe uma resposta

Loading…

0

Governo aprova teletrabalho obrigatório até final do ano

Habitats artificiais de água doce requerem boa gestão da sua biodiversidade