in

Bolsas europeias em alta, a festejarem acordo comercial entre Washington e Pequim

Lisboa, 23 jun 2020 (Lusa) — As principais bolsas europeias abriram hoje em alta, com os investidores a festejarem o facto do acordo comercial entre Washington e Pequim se manter intacto.

Cerca das 08:55 em Lisboa, o EuroStoxx 600 subia 0,98% para 366,27 pontos.

As bolsas de Londres, Paris e Frankfurt avançavam 0,69%, 1,43% e 1,62%, respetivamente, bem como as de Madrid e Milão, que subiam 1,26% e 1,36%.

Depois de ter aberto em alta, a bolsa de Lisboa mantinha a tendência e, cerca das 08:55, o principal índice, o PSI20, subia 0,64% para 4.441,75 pontos.

Apesar dos receios com os novos surtos de covid-19 em todo o mundo, principalmente nos Estados Unidos, os investidores ficaram animados, depois do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter assegurado que o acordo comercial entre Washington e Pequim manter-se intacto.

Contudo, os líderes da União Europeia (UE) advertiram Pequim que os vínculos que mantêm os dois sócios comerciais poderiam ser afetados se o gigante asiático não abrir mais a sua economia às empresas europeias e tratar as empresas estrangeiras justamente, num claro sinal de um endurecimento da postura em relação a Pequim.

Na segunda-feira, a bolsa de Nova Iorque terminou com o Dow Jones a subir 0,59% para 26.024,96 pontos, contra 29.551,42 pontos em 12 de fevereiro, atual máximo desde que foi criado em 1896.

No mesmo sentido, o Nasdaq fechou a avançar 1,11% para 10.056,47 pontos, contra o atual máximo de 9.817,18 pontos em 19 de fevereiro.

A nível cambial, o euro abriu hoje em alta no mercado de câmbios de Frankfurt, a cotar-se a 1,1288 dólares, contra 1,1261 dólares na segunda-feira.

O barril de petróleo Brent para entrega em agosto abriu com tendência negativa, a cotar-se a 42,94 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, contra 43,08 dólares na segunda-feira.

Deixe uma resposta

Loading…

0

Incêndios: Quinze concelhos de seis distritos do continente em risco máximo

Deco apela aos consumidores para se fazerem ouvir contra comissões bancárias