in

Câmara de Lisboa pede ao Estado central espaços para acolhimento de sem-abrigo

*** Serviço áudio disponível em www.lusa.pt ***

Lisboa, 20 jun 2020 (Lusa) – O vereador da Câmara Municipal de Lisboa Manuel Grilo defendeu na sexta-feira ser “absolutamente necessário” que o Estado central faculte ao município espaços para acolhimento de pessoas em situação de sem-abrigo.

Manuel Grilo, vereador com os pelouros dos Direitos Sociais e da Educação, do Bloco de Esquerda, fez este apelo durante uma ação de contacto com a população sem-abrigo da cidade de Lisboa, em que acompanhou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, entre Alcântara e a Avenida Almirante Reis, com paragens no Cais do Sodré e em Santa Apolónia.

“Nós não queremos que as pessoas passem por esta pandemia condenadas a estarem na rua. É absolutamente necessário que o Estado central encontre forma de nos facultar o espaço onde possamos integrar pessoas com dignidade”, afirmou o vereador, acrescentando: “Há um espaço que sabemos que está disponível na zona da Manutenção Militar, na rua do Grilo”.

O vereador referiu que atualmente existem “quatro equipamentos de emergência” em Lisboa, os pavilhões do Casal Vistoso, do Clube Nacional de Natação (CNN), a Pousada da Juventude do Parque das Nações e a Casa do Lago, onde estão acolhidas 220 pessoas, estimando-se que haja “outro tanto, ou mais, na rua”.

“Precisamos de mais espaços para acolher mais pessoas. Não conseguimos ter acesso a estes equipamentos, que em grande medida pertencem ao Estado Central e, portanto, venho chamar a atenção para a necessidade de encontrarmos estes espaços”, reforçou, pedindo “espaços alternativos que possam ter mais 100, 120, 140 pessoas”.

Relativamente às habitações disponibilizadas à população sem-abrigo, Manuel Grilo adiantou que até ao final deste ano deverá haver 380 casas entregues através do projeto ‘Housing First’, “o que significará soluções definitivas para essas pessoas de recuperação do seu projeto de vida”.

Segundo o vereador da Câmara Municipal de Lisboa, “há uma identidade completa de propósitos e de objetivos” com o Presidente da República no que respeita à preocupação com as pessoas em situação de sem-abrigo.

“É algo que nos irmana”, disse.

Deixe uma resposta

Loading…

0

Marcelo considera agora improvável acabar com sem-abrigo até 2023

Marcelo defende que portugueses são exemplo mundial no acolhimento de refugiados