Câmara do Porto inicia nesta quinta-feira inquéritos junto dos automobilistas com vista a melhorar o trânsito

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

A Câmara do Porto promove a realização de inquéritos de rua a partir desta quinta-feira, dia 16, com vista a obter informação vital que permita lançar medidas para melhorar a circulação do trânsito automóvel dentro da cidade.

Os inquéritos, que se prolongarão até 13 de dezembro em diversos locais, vão ser realizados nas principais horas de ponta, da manhã e do fim do dia, sendo contactados nomeadamente os automobilistas para apurar da origem e destino dos seus trajetos.

A colaboração do público é essencial para estes trabalhos de campo, que dizem respeito ao transporte individual e permitirão a recolha de dados de tráfego.

Com as respostas obtidas junto do público, será obtida uma caracterização muito completa dos padrões de viagem na cidade do Porto, a qual servirá de base a um modelo de tráfego Visum que irá simular a procura e condições de circulação nas horas de ponta da manhã e da tarde de um dia útil normal.

A importância da adesão da população do Porto e dos seus visitantes é tanto maior quanto os resultados do inquérito constituirão base para atualização do Modelo de Tráfego da Cidade, que permitirá à Câmara Municipal gerir melhor o tráfego da cidade, já que tal possibilitará a simulação dos vários cenários rodoviários antes da sua implementação.

No âmbito destes inquéritos de rua, apenas foram programados trabalhos de campo para as terças, quartas e quintas-feiras, num total de 12 dias úteis normais, com distribuição equilibrada do número de postos de inquérito (e número de inquiridores) em cada dia.

Haverá a possibilidade de utilizar as segundas-feiras de tarde e as sextas-feiras de manhã como eventuais períodos de trabalho de campo, mas apenas em caso de necessidade.

Qual a sua opinião?