Casal recebeu 30 quilos de canábis em encomenda da Amazon

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Um casal do estado norte-americano da Florida foi surpreendido ao encontrar 30 quilos de canábis numa encomenda da empresa de distribuição Amazon.

À imprensa local, o casal, residente em Orlando, disse que tinha encomendado 27 caixas plásticas de armazenamento. “Nós adoramos a Amazon e fazemos muitas compras lá”, contou a cliente, que pediu para não ser identificada por razões de segurança.

Acontece que, dentro dos caixotes, que deveriam vir vazios, os norte-americanos encontraram embalagens com cerca de 30 quilogramas de canábis, uma droga psicotrópica cujo principal constituinte é o tetrahidrocanabinol (THC).

“As caixas estavam extremamente pesadas, mais pesadas do que o que seria suposto, presumindo que estariam vazias”, explicou, acrescentando que, assim que abriu a encomenda, se apercebeu de um “forte odor”.

“Quando o primeiro agente chegou a nossa casa, ficou incrédulo”, constatou a cliente.

A notícia e algumas fotografias da situação insólita foram partilhadas no Twitter por um jornalista da WFTV, que entrevistou os visados e publicou a história – ocorrida há poucos meses – esta segunda-feira.

Segundo a estação televisiva local, a encomenda foi enviada de um armazém da Amazon, situado no Estado do Massachusetts.

O casal tem tentado esclarecer o mal-entendido com a empresa, com quem tem contactado sobretudo via email, mas ainda não conseguiu chegar à fala com um responsável, nem obter qualquer explicação para o sucedido.

Perante falta de justificação, a Amazon ofereceu ao casal um vale de 150 dólares (aproximadamente 127 euros) para gastar em compras na empresa.

A droga foi apreendida pela polícia, que está a investigar o caso, com a colaboração da Amazon.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?