in

CDS recomenda “sentido de Estado” ao ministro Pedro Nuno Santos sobre TAP

Lisboa, 20 mai 2020 (Lusa) – O líder do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, recomendou hoje ao ministro das Infraestruturas e da Habitação que não desconfie da iniciativa privada no processo de gestão da TAP, pedindo a Pedro Nuno Santos “sentido de Estado”.

“Recomenda-se ao ministro das infraestruturas que não olhe para os empresários como inimigos, que não desconfie da iniciativa privada porque nas funções que ocupa cabe usar de sentido de estado, que é uma coisa que infelizmente o ministro Pedro Nuno Santos se tem esquecido, sobre tudo no tratamento político e na relação com a oposição”, considerou hoje Francisco Rodrigues dos Santos no fim de uma visita à empresa Apametal, na freguesia de Rio de Mouro, em Sintra.

Na terça-feira, Pedro Nuno Santos disse no parlamento que o Estado vai partir para uma negociação com a TAP e que não se pode excluir qualquer cenário para a companhia aérea, inclusivamente a insolvência.

Rodrigues dos Santos confessou que tem “alguma dificuldade em atribuir credibilidade” às afirmações do ministro das Infraestruturas e Habitação a propósito da TAP, considerando evidente que o Estado terá que chegar a um compromisso com a administração da companhia aérea.

“Haja diálogo estruturado, biunívoco e salubre entre a administração da TAP e o Estado, sendo certo que como bem sabemos a TAP é uma empresa pública e que por essa mesma razão o ministro Pedro Nuno Santos não pode descartar a responsabilidade na gestão dado que também tem assento nesse conselho de administração”, vincou o dirigente.

O CDS recusa qualquer obrigação do Estado em “enterrar dinheiro” público na TAP “de forma desregrada e sem qualquer tipo de critério”, defendendo rigor nos apoios em função das necessidades bem como uma “co-responsabilização” entre o privado e o Estado.

No parlamento, na terça-feira, Pedro Nuno Santos disse que o Estado português iria partir para uma negociação sem “excluir nenhum cenário” inclusivamente “o da própria insolvência da empresa, porque obviamente o Estado não pode estar capturado, algemado numa negociação com privados”.

O governante disse também que é preciso, em primeiro lugar, clarificar com o acionista privado qual é a sua disponibilidade para acompanhar a intervenção pública, questão à qual, segundo o ministro, a TAP ainda não respondeu.

No dia 13 de maio, o secretário de Estado do Tesouro, Álvaro Novo, disse que o Governo espera ter uma decisão sobre a injeção de dinheiro na TAP, companhia aérea que quase parou devido à covid-19, em meados de junho, esperando que haja uma melhor “fundamentação técnica” do pedido de auxílio da companhia aérea ao Estado até ao final do mês.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, defendeu em 12 de maio que uma injeção repartida entre o acionista privado e o Estado seria “a forma mais tranquila de conversar” sobre uma capitalização da TAP.

O primeiro-ministro, António Costa, por seu turno, assegurou no início de maio que só haverá apoio à TAP com “mais controlo e uma relação de poderes adequada”, mas disse que a transportadora aérea continuará a “voar com as cores de Portugal”.

Atualmente, devido à pandemia de covid-19, a TAP tem a sua operação suspensa quase na totalidade e recorreu ao ‘lay-off’ simplificado dos trabalhadores.

Deixe uma resposta

Loading…

0

Ministro realça contributo das forças de segurança durante pandemia

Pedidos de pensões à espera há mais de 90 dias caem 52% – ministra