in

Centeno diz que ser governador do BdP é cargo que qualquer economista gostaria de desempenhar

O ministro das Finanças cessante, Mário Centeno, remeteu hoje para o Governo a decisão sobre quem será o próximo governador do Banco de Portugal, mas admitiu que é um cargo que qualquer economista gostaria de desempenhar.

Em entrevista à RTP, Mário Centeno admitiu ter falado desse assunto com o primeiro-ministro, mas salientou que a escolha do sucessor de Carlos Costa “é uma competência do Governo”, lembrando apenas que é funcionário do Banco de Portugal (BdP).

Questionado se este seria um lugar apetecível para si, Mário Centeno, economista, respondeu: “É um cargo que é muito importante para o país e que não vai perder importância nos próximo anos, é um cargo que qualquer economista pode gostar de desempenhar”, afirmou, dizendo estar “apenas a fazer uma interpretação do cargo”.

Sobre os diplomas aprovados na generalidade no parlamento e que, se vierem a ser lei, criarão um período de nojo entre funções governativas e na liderança do banco central, o ministro das Finanças disse desconhecer qualquer país que tenha “esse género de incompatibilidades escritas em normas”.

“Ser governante não é propriamente um cadastro”, reforçou, questionando, depois de ter sido ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo, que cargos poderia desempenhar seguindo esse tipo de critérios.

Mário Centeno salientou que, em Portugal, três governantes do PSD “assumiram cargos desta natureza após terem sido governantes” e aconselhou o país “a não se pôr mais restrições a si próprio”.

Deixe uma resposta

Loading…

0

“Todas as coisas boas têm um fim”, diz Centeno ao lançar sucessão no Eurogrupo

Centeno liga saída a fim de mandato no Eurogrupo e diz que “nada mudou” na relação com PM