CGTP espera milhares de trabalhadores na manifestação de quarta-feira em Lisboa

Lisboa, 09 jul 2019 (Lusa) — A CGTP-IN conta ter na quarta-feira, em Lisboa, milhares de trabalhadores de todo o país para irem até São Bento manifestar ao Governo e aos deputados o seu protesto contra as alterações à legislação laboral.

PUB

As estruturas regionais e setoriais da central sindical fretaram cerca de 80 autocarros para transportar trabalhadores de vários pontos do país e também dois comboios para assegurar a viagem do Porto a Lisboa.

“Não conseguimos contabilizar as pessoas que vem por meios próprios, da zona da grande Lisboa e Setúbal, mas é seguro dizer que vamos ter uma grande manifestação, com milhares de trabalhadores, apesar de já estarmos no inicio do período de férias”, disse à agência Lusa João Torres, da Comissão Executiva da CGTP.

A Intersindical marcou esta manifestação nacional, com desfile entre a Praça da Figueira e a Assembleia da República, para coincidir com o último debate do Estado da Nação desta legislatura.

“O objetivo é mostrar ao Governo e aos deputados que os trabalhadores não aceitam as alterações, para pior, das normas gravosas da legislação laboral, e ao mesmo tempo exigir a valorização do trabalho e dos trabalhadores, condição para um Portugal desenvolvido e soberano”, afirmou João Torres.

De acordo com o sindicalista, nos muitos plenários que foram feitos nas últimas semanas, os trabalhadores “deixaram claro o seu descontentamento e muitas críticas ao PS”.

“Para os trabalhadores, o PS desprezou uma boa oportunidade para melhorar a legislação, pois tinha uma correlação de forças favorável no parlamento, mas optou por agravá-la ainda mais”, acrescentou.

A manifestação da Inter será precedida por algumas concentrações setoriais, nomeadamente dos trabalhadores da grande distribuição, da hotelaria e da EDP.

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, participará na concentração promovida pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços, junto à associação empresarial do setor, a APED, para exigir a negociação do contrato coletivo de trabalho, com aumentos salariais para todos e correção de carreiras.

Estes manifestantes deslocam-se depois para a Praça da Figueira para integrar a manifestação nacional.

As alterações à lei laboral propostas pelo Governo e pelos vários partidos políticos têm vindo a ser votadas desde 11 de junho no grupo de trabalho criado no âmbito da comissão parlamentar da especialidade.

Entre as medidas aprovadas está o alargamento do período experimental de 90 para 180 dias para trabalhadores à procura de primeiro emprego e desempregados de longa duração.

Para a CGTP esta medida “vai aumentar a precariedade, tal como a possibilidade de alargamento dos contratos de curta duração a todos os setores”.

A proposta de lei do Governo que altera o Código do Trabalho resultou de um acordo celebrado na Concertação Social com a UGT e as confederações patronais, em de maio de 2018.


Recomendados

Recomendados

Comente, qual a sua opinião?
A carregar...

Outros conteúdos na web