in

CGTP pede apoio do Governo para pais que não têm onde deixar filhos em agosto

Lisboa, 22 jul 2020 (Lusa) – A CGTP apelou hoje à intervenção do Governo para encontrar soluções para os pais que foram obrigados pelas empresas a antecipar as férias e agora não têm onde deixar os filhos menores.

 “Apelamos a uma intervenção urgente por parte do Ministério que V. Exa. tutela no sentido de encontrar as respostas adequadas a estas situações de emergência de pais e crianças”, disse a Intersindical numa carta enviada à Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho.

Segundo a central sindical, “muitas mães e pais trabalhadores foram confrontados com férias forçadas pelas entidades patronais, antes de maio, no início da pandemia [de covid-19]”, e agora têm de trabalhar em agosto, “mês em que teriam as suas férias habituais para conciliar com as responsabilidades familiares e deparam-se com os estabelecimentos de ensino ou de apoio encerrados e sem ter onde deixar os filhos menores”.

A carta enviada a Ana Mendes Godinho refere que têm chegado aos sindicatos da Inter “relatos de casos de verdadeira aflição, sem apoio familiar de retaguarda e sem solução à vista”.

“Os mais recentes estão a ocorrer na região de Portalegre, mas existirão muitos mais”, diz o documento, acrescentando que “os poucos campos de férias que existem, nalgumas regiões do país, não duram o mês todo e são pagos, algo que muitas famílias, em resultado da perda de rendimentos, não pode suportar”.

A CGTP lembra que estas situações não têm enquadramento legal específico e defende que “necessitam de uma resposta excecional e urgente nos apoios sociais para que as famílias não fiquem desprovidas de soluções”.

“Se o ‘lay-off’ foi ajustado para as empresas, também os apoios às famílias têm de ser ajustados às suas necessidades”, diz a carta assinada pela coordenadora da Comissão para a Igualdade entre Mulheres e Homens, Fátima Messias.

A dirigente da CGTP manifestou disponibilidade para colaborar com o Ministério do Trabalho, designadamente identificando as situações detetadas pelos sindicatos da central.

O assunto foi também hoje colocado pela CGTP na reunião da CITE, junto da sua presidente.

Deixe uma resposta

Loading…

0

Covid-19: Festival Iminente realiza-se em setembro em Lisboa com formato alternativo

Migrações: Sucessão de desembarques é inegável mas é prematuro falar em rota – SEF