Chocolate preto e vinho tinto, o segredo para a juventude eterna

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Foram descobertas as propriedades rejuvenescedoras de uma substância presente no chocolate preto e no vinho tinto, o resveratrol.

Presente naturalmente em uvas tintas, cacau e amoras (entre outros), o polifenol com propriedades antioxidantes presente nas uvas consegue devolver às células antigas o aspeto e o comportamento que tinham quando eram novas, revela um estudo das universidades de Exeter e de Brighton, no Reino Unido.

Para o estudo, foram aplicadas substâncias sintéticas baseadas em resveratrol em várias culturas de células.

Os genes responsáveis pela mitose – o processo de divisão e multiplicação celular – tendem a deixar de funcionar progressivamente, à medida que as células envelhecem. No entanto, a aplicação dos análogos de resveratrol reacendeu este processo nas células.

Após algumas horas de exposição, as células mais velhas começaram a dividir-se mais ativamente. Os seus telómeros – as “capas protetoras” dos cromossomas – que tendem a diminuir de tamanho com a idade, também aumentaram de tamanho.

O resultado surpreendeu. “Quando eu vi algumas das células das culturas a rejuvenescer não pude acreditar. Aquelas células velhas pareciam-se com células novas. Foi como por magia”, descreve Eva Latorre, a investigadora da Universidade de Exeter que conduziu as experiências.

Um dos motivos de nos tornarmos mais suscetíveis a doenças com a idade tem a ver com a acumulação de células senescentes no nosso organismo, que não funcionam tão bem quanto as suas contrapartes mais novas.

“Os nossos dados sugerem que usar químicos para voltar a ativar a maior parte dos genes que são desativados enquanto envelhecemos pode restaurar as funções das células antigas”, diz em comunicado Lorna Harries, professora de genética molecular na Universidade de Exeter.

A equipa considera que as suas observações poderão contribuir para oferecer a todos um envelhecimento com mais qualidade. “Este é o primeiro passo na tentativa de fazer com que as pessoas tenham saúde ao longo da sua vida”, acrescenta Harries.

Este estudo pode vir a ser útil inclusivamente no combate ao desenvolvimento de doenças degenerativas.

Já não é a primeira vez que o vinho surpreende pelos seus benefícios. Desde o aumento da fertilidade à prevenção de problemas cardíacos, o “néctar de Baco” é sem dúvida um grande aliado da saúde – quando consumido em moderação, claro.

Este artigo foi publicado originalmente na Visão

Qual a sua opinião?