Categories: Famosos
| Em
08/11/2019 11:41

Comentadores de ‘Você na TV’ defendem Ângelo Rodrigues: “Ninguém que é atendido num hospital (…) tem que agradecer publicamente”

Depois de sair do Hospital Garcia de Orta no dia 24 de outubro, após 2 meses de internamento, a agência – Glam – de Ângelo Rodrigues, emitiu um comunicado no qual, entre outras considerações, agradecia, em nome do actor, todo o apoio que recebeu.

Contudo, este agradecimento genérico, não caiu bem a uma funcionária (não se sabe, se enfermeira) do referido hospital.

Numa notícia do semanário ‘Sol’ partilhada no Facebook, a tal funcionária entrou na caixa de comentários e acusou o actor de ser “ingrato” por não agradecer especificamente aos profissionais do hospital, acrescentando que Ângelo terá mostrado muito mau feitio durante o seu internamento.

“Então que tal um agradecimento a todo o pessoal do Hospital onde esteve tanto tempo internado,e que se esforçaram tanto para que tudo corresse bem, e aturaram o seu mau humor quando as coisas não corriam como ele queria, Humildade, amigo Humildade, palavra que não faz parte do seu vocabulário. Lamentável.!”, escreveu a referida funcionária.

O tema gerou logo alguma polémica e acabou por ser assunto de cnversa nesta manhã de sexta-feira no programa ‘Você na TV’, da TVI.

Os comentadores de serviço, Flávio Furtado, Cinha Jardim e Pedro Crispim levaram o assunto para a mesa de debate e mostraram-se ao lado de Ângelo Rodrigues repudiando as declarações da funcionária do hospital Garcia de Orta.

E foi Flávio Furtado o mais efusivo: “Eu acho que a senhora é tonta, ninguém que é atendido num hospital ou num serviço público tem que agradecer publicamente, agradece no local e pronto”, declarou.

Cinha Jardim referiu ainda que Ângelo Rodrigues “não deve ter agradecido a esta menina” por isso é que se deu a crítica. “Nestes casos, as pessoas gostam de um agradecimento público, disse.

Jose Guinot

Sou jornalista desde sempre, diria. Comecei na rádio e passei pela imprensa, na Media Capital Edições, onde estive 11 anos. Jornalismo é o que faço e farei o resto da vida. Provavelmente.