Costa diz à JS que educação e alterações climáticas são “desafios” do PS

O secretário-geral do PS, António Costa, disse hoje, em Paredes, onde a Juventude Socialista (JS) apresenta as suas propostas para o programa eleitoral, que educação, igualdade e alterações climáticas continuarão como desafios do partido.

PUB

“Foi com muito interesse que li os vossos contributos para o programa do Governo. São excelentes pistas para a reflexão e para os desafios da vossa geração e o programa do PS tem de ser capaz de responder a estas questões”, afirmou o líder socialista.

Elogiando, repetidamente, as várias propostas da JS naqueles e em outros domínios, elencadas minutos antes pela secretária-geral Maria Begonha, António Costa deixou a promessa de que várias ideias apresentadas deverão ser levadas em conta se o PS for Governo na próxima legislatura.

Nos trabalhos, os jovens socialistas destacaram várias propostas, nomeadamente na área da educação, para que mais alunos do ensino profissional acedam ao ensino superior, nomeadamente a valorização das provas de aptidão e a fixação de um teto máximo nas propinas dos mestrados.

Estender o programa Erasmus ao 12.º ano, manuais escolares digitais gratuitos e criação de um ano sabático no final do ensino secundário foram outras ideias hoje defendidas pela JS.

Noutras áreas, o fim do pagamento de 1.500 euros para se fazer um estágio remunerado dos futuros advogados, o fim das provas no final daqueles estágios promovidos pelas ordens profissionais, a legalização do consumo de cannabis para fins recreativos, a regulamentação do trabalho digital e o fim das centrais de carvão até 2021 também constam da lista de propostas da JS.

Falando para algumas dezenas de jovens socialistas, de vários pontos do país, reunidos no pavilhão municipal de Paredes, no distrito do Porto, o secretário-geral do PS assinalou a importância do “desafio demográfico para corrigir a trajetória atual” e as medidas do programa socialista para garantir a “sustentabilidade do sistema social”.

António Costa defendeu a importância de “regular bem o trabalho fora do horário de trabalho” e o “desafio do combate às desigualdades”, incluindo a “disparidade salarial que continua a subsistir entre homens e mulheres”.

O secretário-geral revelou também que uma das suas preocupações como governante tem sido trabalhar para garantir aos jovens, em Portugal, “uma plena realização pessoal e profissional sem terem de partir”.

Novas políticas públicas, como o arrendamento acessível às novas gerações, “garantir que as formações das ordens não sejam redundâncias da formação do ensino superior e instrumentos desleais de limitar a concorrência no acesso à profissão”, e a contratação pelo Estado de mais jovens qualificados foram ideias, voltadas para o futuro, que António Costa deixou aos jovens socialistas.

Ainda em resposta às propostas da JS, o primeiro-ministro disse ter gostado da ideia de generalizar os manuais escolares digitais e acentuou a necessidade de políticas que permitam “alargar a base no acesso ao ensino superior”.

O líder socialista referiu, a propósito, o “objetivo vital” de prosseguir “o investimento no plano nacional de alojamento” para o ensino superior e a necessidade de “mais condições para que todos possam fazer Erasmus, independentemente dos recursos da sua família, incluindo no ensino secundário”.

“Investir na formação é contribuir para a produtividade das empresas e desenvolvimento do país” reforçou.

Outros conteúdos na web

Comente, qual a sua opinião?
A carregar...

Artigos recomendados

Artigos recomendados