in

Covid-19: Autarcas e operadores acordam reforço de 90% nos autocarros na AMLisboa

Lisboa, 25 jun 2020 (Lusa) — A Área Metropolitana de Lisboa (AML) decidiu reforçar em 90% a oferta de transportes, a partir de 01 de julho, em comparação com o mesmo período do ano passado, sobretudo nos autocarros que transportam passageiros para Lisboa.

A decisão foi hoje tomada numa reunião do Conselho Metropolitano da Área Metropolitana de Lisboa, que tem funções como autoridade de transporte, na sequência da redução do número de autocarros desde meados de março, durante o confinamento provocado pela covid-19.

De acordo com Carlos Humberto, primeiro secretário da AML, na reunião de hoje houve “um entendimento com os operadores” de transporte de que a partir de 01 de julho existirá um “reforço significativo da oferta” de transportes rodoviários, à volta dos 90% quando comparado com o mesmo período do ano passado.

A partir de sexta-feira começará “a haver reforços pontuais, de acordo com aquilo que for o que é mais urgente e com aquilo que as empresas têm possibilidade de oferecer”, disse, salientando que a oferta “pode vir a ser ainda maior nalgumas linhas, nalguns percursos, em alguns horários consoante as necessidades”.

“A ideia é ter uma oferta de cerca de 90% e depois, em cima desses 90%, o reforço naquilo que vier a ser preciso. Do que conhecemos, e não quero generalizar, a maioria das linhas que trazem passageiros para a capital, Lisboa, são linhas que têm uma procura maior”, afirmou.

O responsável destacou ainda que tanto os autarcas como os operadores estarão “mais atentos” para ver quais dessas linhas exigem um “reforço adicional”, sem descurar outras que, não tendo como destino a capital, também necessitam desse reforço.

“Temos de ver agora, linha a linha, tirando aquelas que são evidentes, aquelas em que é preciso um esforço adicional”, afirmou.

 

RCS // ROC

Deixe uma resposta

Loading…

0

Telescópio Solar Europeu começa a funcionar em 2027 com participação portuguesa

Lei para prospeção de lítio “brevemente” aprovada em Conselho de Ministros – governo