in

Covid-19: BE critica falta de apoios na cultura, Costa diz que Governo não está distraído

Lisboa, 20 mai 2020 (Lusa) — A coordenadora do BE criticou hoje a ausência de medidas de apoio concreto “a quem perdeu tudo” na cultura devido à pandemia, mas o primeiro-ministro garantiu que o Governo não está distraído e tem respondido às necessidades.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

No debate quinzenal de hoje, no parlamento, a líder bloquista, Catarina Martins, levou os problemas do setor cultural, defendendo que o executivo devia atuar sobre os conselhos de administração de instituições culturais como a Casa da Música e a Fundação de Serralves que, apesar de não terem tido nenhum corte nas verbas oriundas do Orçamento do Estado, estão a despedir trabalhadores precários devido à pandemia.

“No setor cultural há pessoas a passar fome e ao contrário do setor do turismo, restauração ou outras em que há programas especiais, para este setor o Governo ainda não apresentou nenhuma medida de apoio concreto a quem perdeu tudo”, criticou.

Ideia diferente tem o primeiro-ministro, António Costa, que fez questão de elencar “o que o Governo tem feito para responder a um dos setores que tem sido mais gravemente atingido por esta situação”.

“Senhora deputada, nós também não temos estado distraídos com o setor da cultura e temos procurado responder também a estas necessidades deste setor”, contrapôs.

De acordo com o chefe do executivo, foi criada uma linha de apoio de emergência ao setor das artes que “serão a partir desta semana objeto da sua contratualização e pagamento”, para além de medidas de apoio para os trabalhadores do setor cultural, medidas de apoio à produção de cinema que foram todas concretizadas e um grupo de trabalho “para estudar as condições laborais das carreiras contributivas para os artistas, autores e técnicos de espetáculos para criar um regime de proteção dos trabalhadores intermitentes”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Depois de Costa ter garantido que não foi cortada “nenhuma verba de apoio a nenhuma instituição cultural”, Catarina Martins lembrou que “estas instituições têm a maior parte do seu orçamento através do Orçamento do Estado” e “as receitas de bilheteira são uma parte relativamente pequena”.

“E eu pergunto-me como é que instituições que estão a ser financiadas pelo Orçamento do Estado – Casa da Música, 10 milhões de euros – depois corta a 100% o salário dos seus trabalhadores precários, se teve no máximo uma perda de 5% até agora”, condenou.

A líder bloquista questionou ainda “como é que a ministra da Cultura vai no dia dos museus para a Fundação de Serralves e não se pergunta onde é que estão os trabalhadores que foram despedidos e dispensados e estão com zero salário e zero apoio neste momento”.

“O senhor primeiro-ministro aceita que do Orçamento do Estado estejamos a pagar instituições e que as instituições depois despeçam os trabalhadores e não lhes paguem nada”, perguntou.

Na réplica, o primeiro-ministro apontou um “erro de perspetiva” da líder do BE ao “não perguntar ao Governo aquilo que depende do Governo e perguntar ao Governo por aquilo que outros, terceiros, fazem”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE  

Receba notícias de última hora e ainda informações importantes sobre Portugal e o mundo, basta clicar no gosto da nossa página de facebook ➜  

Receba notícias de última hora e ainda informações importantes sobre Portugal e o mundo, basta clicar no gosto ➜  

Receba notícias de última hora e ainda informações importantes sobre Portugal e o mundo, basta clicar no gosto ➜  

Deixe uma resposta

Loading…

0

ARTIGOS RECOMENDADOS

Costa diz ter indicações de Espanha de que central nuclear de Almaraz encerra em 2028

Covid-19: PS propõe criação de comissão para processo de recuperação económica e social