in

Covid-19: Cerca de 43% dos que ganham até 1.000 euros com corte nos rendimentos – Católica

Lisboa, 14 abr 2020 (Lusa) – Nas famílias que ganham até 1.000 euros, 43% registaram quebra de rendimentos desde que a covid-19 colocou o país em quarentena, valor que supera a média global de 36,8% destas situações, indica um estudo da Universidade Católica.

Realizado na primeira semana de abril, junto de uma amostra composta por 1.700 pessoas com mais de 18 anos, o estudo, hoje apresentado, procura perceber o estado de espírito dos portugueses perante as mudanças que a pandemia de covid-19 impôs às suas vidas e à economia. E os resultados revelam uma assimetria dos impactos a nível de regiões, dos setores público e privado, tipologias de rendimentos e setores de atividade.

De acordo com o estudo, 36,8% dos inquiridos reportou ter registado quebra no rendimento do agregado familiar, seja porque foi colocado em ‘lay-off’, ficou se emprego ou se mantém em atividade, mas a receber menos. Estas médias globais têm por trás realidade diferentes, já que a quebra de rendimentos atingiu mais os agregados que contam com até 1.000 euros mensais, sendo quase 43% os que referiram esta situação.

Já entre os que recebem entre 1.001 e 2.500 euros mensais este problema afetou 32,6% e em relação aos que recebem por mês mais de 2.501 euros, a quebra de rendimentos foi uma realidade para pouco mais de um quinto (23,4%).

Estes resultados levaram Ricardo Reis, Professor na Universidade Católica e que apresentou o estudo durante uma conferência virtual, a assinalar a “discrepância enorme com o que está a acontecer na população” e a classificar esta crise como desigual por estar “a afetar as camadas mais pobres da população”.

Ainda que sejam uma minoria, há 0,6% de pessoas que registaram uma subida dos rendimentos desde que o país entrou em estado de emergência e muitas das atividades económicas foram canceladas total ou parcialmente.

O estudo mostra também que o impacto das medidas de luta contra o surto de covid-19 foi mais sentido entre os empresários em nome individual e trabalhadores por conta própria, onde a quebra de rendimentos chegou a 71,7%. Nos trabalhadores por conta de outrem, este problema atingiu 41,4%.

A quebra de rendimentos afetou também de forma diferentes os setores público e privado, sendo este um problema reportado por 31,3% dos trabalhadores do público e por 52% dos do privado.

A nível regional também se registam diferenças com o Norte a surgir com a maior fatia dos inquiridos (39%) a quem a crise causada pela covid-19 já implicou quebras no rendimento. Seguem-se Lisboa, com 35,9%, e o Centro, com 34,7%.

Estes resultados refletem o facto de também ser nestas regiões que se registam mais casos de ‘lay-off’ ou de pessoas que reportaram estar sem atividade e menores rendimentos. Em termos gerais, foram 13,4% os inquiridos que disseram estar em ‘lay-off’, sendo que em termos regionais, o Norte surge acima desta média, com 17,8% dos inquiridos nesta situação.

Já em relação aos que estão sem trabalhar e tiveram quebra de rendimentos, as repostas globais apontam para um universo de 14,4%, com o Centro a registar 17,7%, o Norte quase 13% e Lisboa 12,5%.

O inquérito permitiu ainda concluir que 6% dos inquiridos estavam em casa sem trabalhar mas sem que isso se tivesse repercutido no seu rendimento. Para Filipe Santos, outros dos oradores da conferência de apresentação do estudo “Covid-19 e os portugueses”, estas pessoas têm quase que uma “obrigação que partilhar o rendimento que conseguiram manter” para com aqueles que “viram a sua vida destroçada por esta crise”, sendo esta uma forma de evitar que a economia tenha um nível de destruição não necessário.

É que, entre as profissões que registam níveis mais elevados de quebra de rendimento estão as relacionadas com o alojamento e restauração e o comércio a retalho, mas também as atividades domésticas, outras atividades de serviços, transportes ou espetáculos.

As medidas de isolamento social levaram a um incremento do teletrabalho, mas entre os inquiridos a maior parte (35,5%) revelou que, em abril, continuou a trabalhar no local habitual, ou seja, sem alterações face ao período pré-covid-19. Já o teletrabalho passou a ser uma realidade para 23,2% dos inquiridos, com a esmagadora maioria (quase 85%) a referir que está a ser uma experiência positiva, em termos de equipamento, ambientais e apoio das empresas.

Em paralelo, mais de metade considera que a experiência está a correr bem ou muito bem no que diz respeito à compatibilização da vida profissional com a familiar (sendo esta apreciação comum a quem tem filhos e os não tem), embora mais de dois terços reconheça que está a trabalhar o mesmo ou menos, por comparação com a produção profissional anterior.

O inquérito procurou perceber se as pessoas estão a cumprir o isolamento social, quais os meios que mais usam para se informar sobre a doença e se têm sentido falta de produtos quando vão às compras. As respostas mostraram que 14% não tinha saído à rua nas duas semanas anteriores, mas 9% saiu mais de uma vez por dia. O principal motivo das saídas (62%) é a compra de bens essenciais.

Por outro lado, 75% tem na televisão o principal meio de informação sobre a covid-19 e 77% não tem sentido dificuldade em comprar os bens de que necessita, exceto quando se trata de álcool ou de gel desinfetante.

 

Deixe uma resposta

Loading…

0

VCI no Porto reaberta nos dois sentidos após 13 horas

Covid-19: Trabalho, exercício físico e jardim beneficiam saúde mental no isolamento – estudo