in

Covid-19: Costa pede confiança a professores e alunos no regresso às aulas presenciais

Benavente, Santarém 12 mai 2020 (Lusa) – O primeiro-ministro pediu hoje confiança aos alunos dos 11 e 12º anos e aos professores no regresso às aulas presenciais a partir de segunda-feira, dizendo que os materiais de proteção individual estarão disponíveis nas escolas.

António Costa falava após ter visitado a Unidade de Apoio Geral de Material do Exército, no município de Benavente, num discurso em que elogiou a operação logística desempenhada pelas Forças Armadas, quer na desinfeção de estabelecimentos de ensino, quer no planeamento e organização da distribuição de material de proteção em cerca de 500 escolas.

“Foi um trabalho muito grande e foi um esforço financeiro enorme, porque se trata de uma quantidade imensa de material. Só nesta primeira leva cuja distribuição está aqui em causa, estamos a falar de mais de quatro milhões de máscaras para mais de 500 escolas”, declarou, tendo a ouvi-lo os ministros da Defesa, João Gomes Cravinho, e da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, assim como o chefe de Estado Maior General das Forças Armadas, almirante Silva Ribeiro.

Na sua breve intervenção, o líder do executivo salientou que esta operação só foi possível “graças ao enorme empenho das Forças Armadas”.

“Para bem se lecionar e para bem se aprender, é essencial que todos se sintam confortáveis. E todos só podem estar confortáveis se todos estiverem seguros. Só assim há confiança”, sustentou António Costa.

Depois, o primeiro-ministro deixou uma mensagem aos professores, aos assistentes operacionais e às famílias dos alunos que vão retomar as aulas presenciais: “Desejamos que, a partir de segunda-feira, entrem nas escolas com confiança para se retomar o processo de aprendizagem, que nunca foi interrompido, mas que tem sido mantido à distância e que agora deve continuar de forma presencial”, declarou.

PMF // SF

Deixe uma resposta

Loading…

0

Covid-19: Pandemia aumenta fosso das desigualdades sociais em Portugal — barómetro

Covid-19: Nas lojas de Fátima aparecem mais jornalistas do que clientes