in

Covid-19: Lotação dos transportes públicos reduzida a um terço dos lugares

A lotação dos transportes públicos vai ser reduzida a um terço do número máximo de lugares disponíveis e terá de ser assegurada a limpeza diária, de acordo com o decreto do Governo que regulamenta o estado de emergência.

A lei declara a obrigatoriedade de os operadores de transporte de passageiros realizarem a limpeza dos veículos, seguindo as recomendações estabelecidas pelo Ministério da Saúde.

É ainda estabelecida a “redução do número máximo de passageiros por transporte para um terço do número máximo de lugares disponíveis”, visando esta medida garantir a distância “adequada” entre os utentes e reduzir o perigo de contágio do Covid-19.

Estas medidas são determinadas pelos membros do Governo responsáveis pela área dos transportes, a quem também estabelecer “os concretos termos e condições em que deve ocorrer o transporte de mercadorias em todo o território nacional, a fim de garantir o respetivo fornecimento”.

O Ministro dos Transportes pode ainda tomar medidas adicionais “que sejam adequadas e necessárias para limitar a circulação de meios de transporte coletivos no sentido de preservar a saúde pública”, assim como adotar atos que sejam considerados “adequados e indispensáveis para garantir os serviços de mobilidade, ordinários ou extraordinários, a fim de proteger pessoas e bens” e manter infraestruturas viárias, ferroviárias, portuárias e aeroportuárias.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, infetou mais de 265 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 11.100 morreram.

Das pessoas infetadas, mais de 90.500 recuperaram da doença.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje o número de casos confirmados de infeção para 1.020, mais 235 do que na quinta-feira.

O número de mortos no país subiu para seis.

Deixe uma resposta

Loading…

0

Covid-19: Dever do Governo é assegurar que em junho haverá “novo futuro” – Primeiro-ministro

Covid-19: “Medida mais eficaz para apoiar o rendimento das famílias é garantir emprego” – primeiro-ministro