in

Covid-19: PR defende que decisões sobre fronteiras devem ser tomadas bilateralmente

Lisboa, 23 mai (Lusa) — O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, comentou hoje a decisão do Governo espanhol de abrir as fronteiras em julho, considerando que temas como esse devem ser tratados “num clima bilateral”, sob o risco de “não dar certo”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, anunciou hoje que vai abrir fronteiras em julho e promete dar garantias de segurança sanitária aos turistas, desafiando os espanhóis a planificarem as suas férias, desde já, em território nacional.

“Eu não queria falar desse tema, porque é um tema que nós entendemos que deve ser tratado num clima bilateral. Se é um clima bilateral, tudo o que unilateralmente seja feito por um lado, sem ser em conversa com o outro, tem fortes probabilidades de não dar certo”, advertiu o chefe de Estado português.

Falando aos jornalistas à margem de uma visita ao Banco Alimentar Contra a Fome, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa destacou que prefere “seguir o caminho que tem sido seguido na parte portuguesa, que é o caminho bilateral”.

“Fecha-se de comum acordo e depois os passos são dados, quaisquer que eles sejam, são passos que não devem ser unilaterais. Não pode ser um Estado a dizer ‘eu entendo’ – ou não deve ser — ‘eu entendo isto’, sem haver uma concertação como outros”, defendeu o Presidente da República.

Na ocasião, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado também sobre as negociações com Espanha e com o Reino Unido, com o objetivo de criar corredores que facilitem as deslocações de emigrantes e turistas a Portugal sem terem de cumprir a quarentena imposta por aqueles países, decorrente da pandemia de covid-19.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Aos jornalistas, o Presidente adiantou que estas negociações estão a decorrer também “com outros países” e concretizou que Portugal “tem estado a fazer diligência diplomáticas” para “perceber se há, ou não, outros países, no domínio do turismo, em que haja interesse para se criar qualquer coisa como corredores para o turismo”.

Instado a detalhar com que países estão a ser feitos esses contactos, o Presidente respondeu: “Provavelmente sei [quais são], mas agora não me ocorre”.

“Ou se começa a tratar disso com antecedência, ou depois é tratado em cima da hora. Faz sentido começar a tratar agora, mesmo que a questão se coloque daqui a um mês, dois meses, três meses, quatro meses”, defendeu, considerando que “o pior que pode haver na política, como na vida, é deixar para o último minuto o começar a falar desses temas”.

No final da visita, o Presidente foi também questionado sobre a TAP e o facto de o Governo não excluir o cenário de insolvência da companhia aérea.

“Tudo o que o Presidente da República disser sobre isso só dificulta, não facilita. E nas situações que já são complexas, estar o Presidente da República a opinar – qual cidadão Marcelo Rebelo de Sousa – sobre que TAP é que gostaria, que capital para a TAP, que solução financeira, qualquer um de nós com a experiência que tem na vida — eu como sou um bocadinho mais velho tenho mais experiência — nós sabemos que isso não vai facilitar nada, só vai dificultar”, defendeu.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Portugal contabiliza 1.302 mortos associados à covid-19 em 30.471 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

Relativamente ao dia anterior, há mais 13 mortos (+1%) e mais 271 casos de infeção (+0,9%).

 

PUBLICIDADE  

Receba notícias de última hora e ainda informações importantes sobre Portugal e o mundo, basta clicar no gosto da nossa página de facebook ➜  

Receba notícias de última hora e ainda informações importantes sobre Portugal e o mundo, basta clicar no gosto ➜  

Receba notícias de última hora e ainda informações importantes sobre Portugal e o mundo, basta clicar no gosto ➜  

Deixe uma resposta

Loading…

0

ARTIGOS RECOMENDADOS

Covid-19: PR vai convocar eleições dos Açores em função da situação “em junho e julho”

Covid-19: Banca está a impor ‘spreads’ acima dos definidos pelo Governo – AHRESP