in

Covid-19: TAP abre programa de licenças sem vencimento de um a três meses

A TAP abriu um programa de licenças sem vencimento a todos os trabalhadores do negócio da aviação, por um período mínimo de 30 dias e máximo de 90 dias, que abrange os meses de abril, maio e junho.

Segundo o comunicado enviado pelos recursos humanos aos trabalhadores na quinta-feira à noite, a que a Lusa teve acesso, o programa voluntário e temporário de licenças sem vencimento tem como objetivo “dimensionar a força de trabalho à atividade operacional atual”, que teve uma queda acentuada devido à propagação do novo coronavírus.

Os interessados em aderir ao programa, que abrange pilotos e tripulantes de cabine, devem inscrever-se, indicando o período pretendido – entre um e três meses, período durante o qual os trabalhadores “mantêm o direito de facilidades de passagem, bem como o seguro de saúde”, lê-se no documento.

Na quinta-feira, a comissão executiva da TAP anunciou a implementação de medidas para reduzir e controlar custos, incluindo a suspensão ou adiamento de investimentos e de contratações e a “implementação de programas de licenças sem vencimento temporárias”, segundo uma nota enviada aos trabalhadores.

“Vamos implementar um conjunto de iniciativas que visam controlar e reduzir custos como suspensão ou adiamento de investimentos não críticos, corte de despesas acessórias, renegociação de contratos e prazos de pagamento, antecipação de crédito junto de fornecedores, suspensão de contratações de novos trabalhadores, bem como a implementação de programas de licença sem vencimento temporárias”, refere a comissão executiva liderada por Antonoaldo Neves.

Na mesma nota, a TAP diz aos colaboradores que “a evolução do surto do coronavírus tem tido também um crescente impacto na economia global, sendo os setores do turismo e da aviação civil dos mais impactados”.

Segundo a comissão executiva da transportadora, “em janeiro e fevereiro não houve impacto negativo” no negócio, mas “nos últimos dias observou-se uma significativa quebra nas reservas, com impacto direto” nas vendas.

Por isso, a TAP resolveu implementar medidas para a “adequação da oferta” e “gestão cuidada da posição de caixa, para continuar a manter a liquidez necessária que a atividade exige”, lê-se na nota.

A companhia aérea vai, assim, cancelar cerca de mil voos em março e abril, “reduzindo a capacidade em 4% em março e 6% em abril, o que representa um total de cerca de 1.000 voos”, explicou a empresa, num comunicado hoje enviado às redações.

Segundo esta nota, os cancelamentos “incidem especialmente na operação para cidades nas regiões mais afetadas, sobretudo Itália, mas contemplam também a redução de oferta em outros mercados europeus que mostram maiores quebras da procura, como Espanha ou França”, incluindo ainda “alguns voos intercontinentais, dado o modelo de operação da TAP, como companhia de longo curso e conexão”.

Sugestões para ti