in

Covid-19: TAP prolonga ‘lay-off’ até 31 de maio

O Conselho de Administração da TAP decidiu prolongar o período de ‘lay-off’ por mais 30 dias, até 31 de maio, por considerar que se mantêm as condições que levaram à adesão à medida, no início de abril.

“Considerando que as condições que nos fizeram aderir a esta medida se mantêm, na sua vasta maioria, nomeadamente as restrições à mobilidade dos cidadãos de todo o mundo e as incertezas face à retoma da atividade, vamos prorrogar o período de ‘lay-off’ por um período suplementar de 30 dias, até 31 de maio, de acordo com o decreto-lei que regulamenta esta matéria”, informou hoje o Conselho de Administração da companhia aérea, numa carta a que a Lusa teve acesso.

A transportadora aérea esclarece ainda que os colaboradores serão informados individualmente sobre a modalidade que lhes será aplicada na extensão do ‘lay-off’ e reitera que “tudo fará para proteger os empregos, a saúde e a segurança da família TAP”.

Atualmente, a TAP tem a sua operação suspensa quase na totalidade, mantendo apenas voos para a Terceira e Ponta Delgada, nos Açores, e para o Funchal, na Madeira, maioritariamente para voos de repatriamento e transporte de carga humanitária.

A companhia aérea recorreu, em 02 de abril, ao programa de ‘lay-off’ simplificado, disponibilizado pelo Governo como uma das medidas de apoio às empresas que sofrem os efeitos da pandemia de covid-19 na economia.

Numa carta enviada à Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) e assinada pela Comissão Executiva da transportadora, no dia 20 de março, a TAP pediu garantias ao Estado para duas possíveis operações de financiamento, por parte do Haitong e do ICBC Spain, para um total de 350 milhões de euros.

No dia 14 de abril, em entrevista à Rádio Observador, o primeiro-ministro não excluiu o recurso à nacionalização da TAP, afirmando não haver “nenhuma razão para excluir nenhum instrumento de ação pública que se revele necessário”.

“Seguramente não está na nossa mente [do Governo] nacionalizar o Observador. Relativamente à TAP, onde o Estado já é acionista, todos sabemos que o setor da aviação civil sofreu de forma devastadora esta situação de crise”, referiu, na altura, o líder do executivo.

Portugal contabiliza 903 mortos associados à covid-19 em 23.864 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

O “Grande Confinamento” levou o Fundo Monetário Internacional (FMI) a fazer previsões sem precedentes nos seus quase 75 anos: a economia mundial poderá cair 3% em 2020, arrastada por uma contração de 5,9% nos Estados Unidos, de 7,5% na zona euro e de 5,2% no Japão.

Para Portugal, o FMI prevê uma recessão de 8% e uma taxa de desemprego de 13,9% em 2020.

Deixe uma resposta

Loading…

0

Bolsas europeias em alta animadas com reabertura depois do confinamento

Covid-19: Marcelo recebeu telefonema de João Lourenço a felicitar atuação de Portugal