Dalai Lama apela aos refugiados que voltem a casa: “a Europa pertence aos Europeus”

Detectámos que tem um Ad Block ativo

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o Ad Block (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O Dalai Lama, líder espiritual tibetano fez uma série de afirmações polémicas sobre refugiados e imigrantes, numa conferência em que participou em Malmö, na Suécia.

Instado a comentar os resultado das recentes eleições no país, que deram um forte impulso à extrema direita e partidos anti-imigração, o Dalai Lama defendeu que “a Europa pertence aos europeus”.

Sobre os milhares de refugiados que têm sido acolhidos no Velho Continente, o líder budista deixou um conselho: “Recebam-nos, ajudem-nos, eduquem-nos, mas, em última análise, eles devem desenvolver os seus próprios países.

Ainda assim, o líder de 83 anos diz que a Europa é “moralmente responsável” por ajudar “um refugiado que esteja realmente a correr perigo de vida” As palavras de Tenzin Gyatso – o nome do 14º Dalai Lama que se acredita ser o resultado da reencarnação de uma linhagem histórica de guias espirituais budistas -, têm sido amplamente criticadas, com muitos a denunciarem a hipocrisia de um homem que vive como refugiado desde 1959, quando a China invadiu o Tibete.

O Dalai Lama vive desde então no norte da Índia e é considerado como um terroista pela China, por defender a independência do seu país natal. Em 2016, lembra o jornal Telegraph, O Dalai Lama deu uma entrevista a um jornal alemão em que defendeu que a Alemanha não podia correr o risco de se tornar num “páis islâmico” e disse que havia “refugiados a mais”.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

Recomendações

Recomendações

Comente, dê a sua opinião!