O desabafo de uma mãe de três filhos sobre o avião que mudou a sua vida

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

“A aeronave que mudou a minha vida e que levou duas outras” é o nome da nova publicação do blog de Maria Ana Ferro, uma mãe de três filhos que, esta quarta-feira, presenciou o acidente que colheu mortalmente duas pessoas, na Costa da Caparica.

No desabafo, começa por escrever que não sabe com que direito o faz. Ao JN, explicou, mais tarde, que o fez porque escreve a sua vida no blog. “Ontem, infelizmente, foi um dia que fez parte da minha vida e da dos meus filhos”, que são três. Dois estavam na areia molhada a brincar.

“Estou de pé a olhar para eles e do nada surge uma aeronave a um metro do chão. Põe as rodas na areia, levanta as rodas, volta a pôr. Aterra. Desliza. 10 segundos”. Dez segundos que trouxeram o pânico à praia de São João. No seu caso, pelos filhos, duas meninas e um rapaz.

“Não vejo os meus filhos! Os meus filhos! Foi isto que gritei enquanto corri”, escreveu. Fazendo jus ao nome do blog – “A mãe já vai” – arrastou os três para a areia seca.

“Todos procuravam alguém. Todos tinham alguém. Entre os gritos e as lágrimas, a 10 metros dos meus filhos, estava alguém. Deitado sem se mexer. Morto.” Um homem de 56 anos. Mais à frente, uma menina de oito.

Maria Ana Ferro, que lançou também um livro com o mesmo nome do blog, quer agora “pôr para trás das costas” o que viveu, esperando que, nos dias que se seguem, o assunto se vá esbatendo. “(Houve) mais mediatismo do que esperava mas amanhã há outro assunto e as pessoas – não as envolvidas claro – esquecem-se”, disse.

Maria Ana terminou o desabafo escrito com uma reflexão sobre a relação entre mãe e filho, dizendo que a sua noção do “tamanho que (as vidas dos filhos) ocupam” em si “mudou para sempre”.

“Para sempre vou ter este sentimento do que é a ideia de os perder. Não consigo falar em sorte. O que lhes aconteceu e às outras pessoas que ali estavam foi um milagre. E ao homem de 57 anos e à menina de 8 anos, a maior e mais parva tristeza da vida.”

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?