Dívida pública subiu para 249,2 mil ME em julho

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

A dívida das administrações públicas na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, aumentou para 249.165 milhões de euros em julho, acima do registado quer em junho quer no mesmo mês do ano passado, segundo o Banco de Portugal.

De acordo com os dados hoje divulgados, o valor do ‘stock’ da dívida pública registado em julho, de 249.165 milhões de euros, significa mais 81 milhões de euros do que o registado em junho e mais 8.365 milhões de euros em relação a julho de 2016.

Face ao final do ano passado, o aumento da dívida pública é de 8.000 milhões de euros.

Já excluindo os depósitos da administração pública, a dívida na ótica de Maastricht situou-se em julho nos 230.287 milhões de euros, o que representa um acréscimo de 900 milhões de euros face a junho e de cerca de 6.000 milhões de euros em relação a julho do ano passado.

O Banco de Portugal não divulga para julho os valores da dívida pública em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB), sendo essa apenas divulgada no final de cada trimestre. Em junho, a divida pública representava 132,2% do PIB.

O Governo tem a meta de chegar ao final do ano com uma dívida de 127,9% do PIB.

Quanto ao financiamento das administrações públicas, entre janeiro e julho, este foi de 4,5 mil milhões de euros, abaixo dos 5,2 mil milhões do mesmo período de 2016.

De acordo com uma nota explicativa do Banco de Portugal, “o financiamento obtido pelas administrações públicas junto dos bancos e de outros financiadores residentes foi de 4,2 mil milhões de euros e de 3,0 mil milhões de euros, respetivamente”.

Em contrapartida, “o financiamento obtido no exterior foi de -2,8 mil milhões de euros, refletindo essencialmente reembolsos antecipados de empréstimos ao Fundo Monetário Internacional no montante de 4,5 mil milhões de euros”.

Finalmente, o financiamento através de títulos foi de 8,6 mil milhões de euros, que mais do que compensou a redução de 4,1 mil milhões de euros nos empréstimos líquidos de depósitos.

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?