PUB
Categories: Mundo
| Em
04/12/2019 22:20

Elsa, a menina transexual de oito anos que se está a tornar num símbolo da luta LGBTI

Elsa Ramos é uma menina transsexual de oito anos e é já considerada um fenómeno mundial, equiparado a Greta Thunberg, na luta pelos direitos LGBTI.

PUB

“O meu nome é Elsa e tenho 8 anos. Não é a primeira vez que as pessoas falam de mim na Assembleia da Estremadura [espanhola]. Há quatro anos, a minha mãe contou aqui a minha história. Sou uma menina transexual, moro em Arroio de San Serván e nos últimos quatro anos vivi um caminho muito importante: o caminho para a minha felicidade”. Foi assim que começou o discurso da menina na Assembleia da Comunidade Autónoma da Estremadura espanhola.

O discurso emocionante coincidiu com o início da legislatura e fez de Elsa uma referência no movimento LGTBI: “ainda é necessário lembrar que tenho o direito de ser chamada como me sinto e que, quatro anos depois, os erros são um pouco estranhos. Como se alguém pudesse duvidar de que eu sou uma menina trans “.

Segundo a imprensa espanhola, Elsa Ramos é membro da Triangle Foundation há quatro anos, uma ONG que luta pelos direitos LGTBI em toda a Espanha.

Os pais de Elsa são outro apoio essencial na vida da menina. A mãe Anabel Pastor, que já tinha participado na primeira reunião plenária da Assembleia contra o bullying LGBTIfóbico, em 2014, sublinha que a menina “não sofreu nenhum tipo de assédio”, mas tem esperança de que a filha possa “viver num mundo sem ódio”.

Vários deputados manifestaram já o seu apoio a Elsa, como é o caso da presidente da Câmara de Barcelona, Ada Colau, que afirmou que “não consegue pensar em palavras mais importantes ou precisas do que aquelas pronunciadas por Elsa”.

“Acima de tudo, as pessoas transexuais têm o direito de ser quem são. Não deixem ninguém tirar a nossa felicidade. Obrigado”, concluiu a menina.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã
PUB
Partilhar
Jornais/Revistas

Artigos republicados de prestigiados Jornais e Revistas nacionais online.

Mais informação sobre: LGBTI
PUB
Comente. Dê a sua opinião!
PUB