EMEL abre hoje ao público um novo parque em São Domingos de Benfica

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

A EMEL, em colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa e a Junta de Freguesia de São Domingos de Benfica, abre hoje ao público uma nova zona de estacionamento destinada a residentes e situada na Rua Padre Francisco Álvares, junto ao Hospital da Cruz Vermelha.

São mais 60 lugares que contribuirão para minorar a escassez de parqueamentos naquela zona, permitindo aos residentes encontrar mais facilmente um local para estacionar.

Uma vez que atualmente o estacionamento na zona envolvente do novo parque ainda não está ordenado pela EMEL, a utilização daquele espaço será possível mediante a obtenção de um dístico a fornecer pela Junta de Freguesia.

A EMEL deverá proceder ao ordenamento da zona envolvente do Hospital da Cruz Vermelha até meados do próximo ano.

Recorde-se que esta é a segunda zona de estacionamento inaugurada em 2017 pela EMEL na Freguesia de São Domingos de Benfica, depois da abertura ao público, no início do ano, de um parque nas imediações da Loja do Cidadão das Laranjeiras.

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa está também a construir mais um parque na Estrada da Luz, junto às Torres de Lisboa, o qual deverá entrar em funcionamento nas próximas semanas. E ainda este verão deverá concluir a requalificação de um outro espaço na Rua Sousa Loureiro.

Todas estas intervenções na Freguesia de São Domingos de Benfica se enquadram no objetivo da EMEL de aumentar a oferta de estacionamento na cidade de Lisboa, em particular para os residentes. Recorde-se que e empresa tem em execução um plano de construção de quatro mil novos lugares de parqueamento fora da via pública especialmente dedicados aos moradores, que podem utilizar estes parques desde que sejam possuidores do dístico de residente, o qual tem um custo de apenas doze euros por ano para o primeiro carro.

Em paralelo, está também em curso um outro projeto de construção de parques dissuasores, prevendo a disponibilização de mais cinco mil lugares para aqueles que quotidianamente entram em Lisboa vindos dos concelhos limítrofes e destinado a incentivar a utilização dos transportes coletivos no interior da cidade.

Qual a sua opinião?