Empreender 2020 ajuda jovens que regressam a Portugal a encontrar mercados

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, afirmou que o protocolo sobre a aplicação e execução do projeto Empreender 2020, ao qual o Ministério dos Negócios Estrangeiros se associou, tem o objetivo de permitir o regresso de jovens qualificados ao País, ajudando «a encontrar financiamento e a realizar as suas ideias, convertendo-as em oportunidades de negócio».

Na cerimónia de assinatura do protocolo que também envolve o Alto Comissariado para as Migrações e a AICEP, em Lisboa, o Ministro referiu que a iniciativa «reúne instituições cuja missão é ajudar os jovens empreendedores que estão a regressar a encontrar mercados».

No âmbito deste protocolo, o Governo vai ceder a sua rede consular e diplomática para divulgar o projeto, bem como «informação disponível de natureza documental e estatística» para realizar o diagnóstico da situação atual de emigração jovem qualificada.

A área de Governo das Comunidades Portuguesas «pode ajudar na identificação dos jovens e na facilitação dos circuitos burocráticos, dos procedimentos necessários ao seu regresso e à sua implementação em Portugal», disse Augusto Santos Silva.

O Ministro acrescentou que o Governo «também pode ajudar na identificação de oportunidades e na canalização de financiamentos e de iniciativas empresariais para essas oportunidades, através do seu gabinete de apoio ao investimento da diáspora».

Apoiar e facilitar investimento

Augusto Santos Silva referiu que a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal «tem como missão essencial apoiar e facilitar o investimento, a identificação de oportunidades e a sua materialização».

A secretaria de Estado da Cidadania e da Igualdade e o Alto Comissariado para as Migrações apoiará as iniciativas dos jovens com «meios financeiros, administrativos e de facilitação de contactos», enquanto a Fundação AEP «constitui o braço de responsabilidade social de uma das mais importantes associações empresariais portuguesas».

«Este projeto já estava a produzir frutos e o que nós fazemos hoje é garantir que este projeto chegue ainda mais longe, envolvendo mais parceiros», acrescentou.
Este artigo foi publicado originalmente no Portal do Governo de Portugal

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?