Empresa americana vai instalar microchips nos trabalhadores

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

É mais uma daquelas notícias que mais parece ter vindo diretamente dos filmes futuristas. Uma empresa norte-americana vai instalar “microchips” nos seus trabalhadores.

A “Three Square Market”, uma empresa tecnológica do Wisconsin, nos EUA, abriu um programa para instalar chips nos trabalhadores. O projeto avança no dia 1 de agosto e já conta com 50 voluntários interessados em instalar o dispositivo avaliado em cerca de 300 euros.

De acordo com o comunicado publicado pela empresa, quem instalar o “chip” no corpo vai poder abrir portas, fazer login nos computadores, usar a máquina de fotocópias e fazer compras no espaço criado para as pausas. O “chip” será instalado entre o polegar e o dedo indicador, por baixo da pele.

Os trabalhadores apenas terão que levantar a mão e um sensor lê os dados que estão inseridos no dispositivo. Apesar da polémica que está a marcar o anúncio desta campanha, devido a questões relacionadas com a privacidade, os responsáveis pela empresa afirmam que o “chip” não tem qualquer dispositivo GPS.

“Eventualmente, esta tecnologia vai tornar-se padrão e as pessoas poderão usá-la como passaporte ou bilhete de transporte público”, disse Todd Westby, CEO da “Three Square Market”.

A implantação de “chips” subcutâneos para acesso ao sistema interno também causou polémica na Bélgica.

A Newfusion, uma empresa belga de marketing digital, implantou “chips” subcutâneos do tamanho de um grão de arroz em oito empregados, com o propósito de servir como “chave” de identificação para abrir portas e aceder aos computadores da firma.

RFID Hand Implant

Vince Nys @ Newfusion #rfidimplant #rfid #biohacking

Posted by Newfusion on Wednesday, 14 December 2016

 
No entanto, este método radical tem alarmado as organizações de defesa dos direitos humanos, levantando questões relacionadas com a vida privada, a saúde e o risco de vigilância permanente dos trabalhadores.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notíciasl

Qual a sua opinião?