Empresa de partilha de carros investe cinco milhões de euros para se instalar em Lisboa

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Uma nova empresa de partilha de carros (car-sharing) estará disponível em Lisboa a partir de 12 de setembro, com uma frota de 211 carros, num investimento na ordem dos cinco milhões de euros.

Resultado de uma parceria entre a Brisa, operador privado de infraestruturas, e o serviço DriveNow, que junta o construtor alemão BMW e a rent-a-car Sixt, é apresentada como uma “nova solução de mobilidade urbana” e com um “plano de negócios evolutivo” com o objetivo de fazer crescer a frota.

Na capital portuguesa, a operação vai incluir inicialmente 48 quilómetros quadrados, da “segunda circular para dentro”, como explicou o diretor para a operação em Portugal, João Oliveira.

Para breve está a divulgação da operação no aeroporto de Lisboa, segundo o responsável, que informou estarem a ser definidos o local do futuro parque de estacionamento bem como a taxa extra a cobrar.

Quanto à expansão para outros locais nacionais, João Oliveira admitiu que a empresa está “a olhar para o Porto”, mas depois de “consolidar Lisboa”.

A perspetiva da empresa é somar 10 mil utilizadores até ao fim do ano e 25 mil depois de um ano deste projeto, que funciona no modelo de “franchising” para a Brisa, que se comprometeu ainda a renovar a frota anualmente.

Apostar em empresas é outra das possibilidades, acrescentou o mesmo responsável, adiantando que a frota irá incluir 11 carros elétricos.

Lisboa é a 13.ª cidade da lista da Drive Now e o primeiro local a disponibilizar o serviço sem necessidade de cartões, excluindo no casp dos veículos elétricos, no âmbito da tecnologia Via Verde, que permite o estacionamento e o uso de postos de combustível da Galp.

A Drive Now iniciou atividade na Alemanha há seis anos e atualmente está em 12 cidades.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Qual a sua opinião?