Está vivo o Português dado como morto pelo governo

Detectámos que tem um Ad Block ativo

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o Ad Block (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O português vítima do atentado desta sexta-feira em França encontra-se vivo, ferido em estado grave. A notícia da morte fora ao fim da tarde divulgada pelo Governo, que agora retificou.

O secretário de Estado das Comunidades esclareceu que o português dado como morto no atentado terrorista em França afinal está vivo e hospitalizado em estado grave, tendo-se tratado de uma informação errada das autoridades francesas.

“Trata-se de uma vitima portuguesa que está gravemente ferida no hospital”, disse José Luís Carneiro, adiantando que, “felizmente, não pereceu neste ataque terrorista”.

No final da tarde, o secretário de Estado tinha dado a informação de que um cidadão de nacionalidade portuguesa estava entre os mortos no ataque terrorista, por assim ter sido informado pelas autoridades.

Esta informação, explicou, não estava correta, tendo resultado de um erro de comunicação das autoridades francesas com os serviços consulares de Toulouse.

A mãe do português baleado já tinha afirmado à Lusa que o filho estava hospitalizado em estado grave e que o morto no carro onde os dois viajavam era de nacionalidade francesa.

O secretário de Estado disse ainda à Lusa que decidiu ficar em França para acompanhar a situação, reunindo-se com a família do português na manhã de sábado para manifestar toda a disponibilidade para os apoiar e reunir com as autoridades hospitalares.

Os ataques ocorreram em Carcassonne e Trèbes, no sul de França e provocaram quatro mortos, incluindo o atacante, que foi abatido pelas autoridades, 16 feridos, dos quais dois graves, segundo o Presidente, Emmanuel Macron.

Redouane Lakdim, 26 anos, sequestrou trabalhadores e clientes num supermercado de Trèbes, afirmando agir em nome do grupo extremista Estado Islâmico.

Este artigo foi publicado originalmente no Diário de Notícias

Recomendações

Recomendações

Comente e partilhe a sua opinião!