Esteve 39 anos preso acusado de matar a noiva e filho mas estava inocente

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O governador da Califórnia, Jerry Brown, indultou na quarta-feira um homem que passou 39 anos na prisão após ter sido condenado por homicídios que as autoridades norte-americanas agora acreditam que não cometeu.

Craig Coley, de 70 anos, foi colocado em liberdade no mesmo dia em que lhe foi comutada a pena.

O septuagenário cumpria uma pena de prisão perpétua pelo homicídio, em 1978, da sua ex-noiva Rhonda Wicht, de 24 anos, e do filho desta, Donald, de 4 anos, em Simi Valley, na Califórnia, apesar de se ter declarado sempre inocente.

O governador da Califórnia afirmou, ao anunciar o perdão, que ordenou a revisão do caso há já dois anos.

“A honra com que Coley suportou este longo e injusto encarceramento é extraordinária”, afirmou Jerry Brown.

O indulto de Brown foi apoiado pelo atual chefe da polícia de Simi Valley, David Livingstone, e pelo procurador do condado de Ventura – do qual faz parte Simi Valley -, Gregory Totten.

Livingstone e Totten reabriram o caso no ano passado depois de um agente retirado ter levantado dúvidas relativamente à culpa de Craig Coley.

Apesar de muitas provas terem sido destruídas depois de Coley ter esgotado os seus recursos judiciais, as autoridades conseguiram efetuar testes de ADN, cujos resultados não coincidiram com o seu.

“Este é um caso trágico. Uma mulher inocente e um menino pequeno foram assassinados. Craig Coley passou 39 anos na prisão por um crime que provavelmente não cometeu.

O verdadeiro assassino ou assassinos não foram julgados”, afirmaram Livingstone e Totten num outro comunicado citado pela agência de notícias Efe.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Qual a sua opinião?