Europol encerra mais de 20 mil ‘sites’ por venda de produtos contrafeitos

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O Serviço Europeu de Polícia (Europol) anunciou hoje o encerramento de mais 20 mil ‘sites’ envolvidos na comercialização de produtos contrafeitos, como bens de luxo ou roupa desportiva, no âmbito de uma operação coordenada a nível internacional.

A operação está integrada numa iniciativa global, designada como “In Our Sites” (IOS), que conta com a colaboração da unidade especializada da Europol para crimes contra a propriedade intelectual, o centro de coordenação norte-americano para os direitos de propriedade intelectual e as forças de segurança de 27 Estados-membros da União Europeia (UE).

A Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) é outras das entidades envolvidas na iniciativa global, que deu os primeiros passos em 2014.

Na sequência das diligências realizadas este ano, a operação encerrou um total de 20.520 páginas na Internet que vendiam bens de luxo contrafeitos, roupa desportiva falsificada, fármacos e pirataria ‘online’ através de plataformas de comércio eletrónico e redes sociais.

Cerca de 7776 ‘sites’ foram encerrados em edições anteriores.

Em comunicado, a Europol explicou que a operação contou igualmente com o apoio de associações de combate à contrafação e representantes de marcas, o que possibilitou “facilitar a cooperação internacional e apoiar os países envolvidos na iniciativa”.

Para a Europol, um dos aspetos que contribui para o êxito da operação foi a abordagem integral do dossiê, “envolvendo mais países e parceiros do setor privado”.

Aspeto destacado pelo diretor-executivo da Europol, Rob Wainwright, que enfatizou a importância de uma cooperação efetiva entre as autoridades públicas e o setor privado.

“É vital se quisermos tornar a Internet um lugar mais seguro para os consumidores”, reforçou.

Segundo dados da Europol, os produtos falsificados representam aproximadamente cerca de 5% do total das importações da UE, duas vezes mais do que os números registados a nível global.

Os resultados desta operação são divulgados no dia em que muitas marcas aderem à ‘Cyber Monday’, um termo de marketing que é utilizado para assinalar a segunda-feira após o feriado do Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos e que pretende convencer as pessoas a fazerem compras ‘online’.

Qual a sua opinião?