Mais felicidade e muito mais produtividade. O que uma experiência concluiu sobre o trabalho a partir de casa

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Uma empresa chinesa pediu a metade dos seus colaboradores que trabalhassem a partir de casa durante dois anos. Os resultados não deixaram muitas dúvidas sobre os benefícios desta opção

Trabalhar a partir de casa tem quase sempre má reputação, associada à ideia de menor produtividade. No entanto, as provas em contrário multiplicam-se. Um dos defensores mais conceituados da ideia é Nicholas Bloom, professor de economia na Universidade de Stanford, que considera que trabalhar a partir de casa tem muito potencial. Na sua recente TEDTalk, recordou o exemplo de uma empresa que aceitou a sua proposta de fazer uma experiência “científica” para provar a sua teoria, a maior agência de viagens da China, a Ctrip.

Os trabalhadores da empresa foram divididos em dois grupos: um grupo trabalhou a partir de casa quatro dias por semana durante nove meses, enquanto o outro grupo permaneceu no escritório cinco dias por semana como grupo de controlo. Os resultados mostraram uma melhoria no desempenho de 13% nas pessoas que trabalharam a partir de casa, que Nicholas Bloom atribui a duas razões: em casa as pessoas trabalhavam efetivamente as horas diárias que lhes cabiam, o que não acontecia no escritório, devido a atrasos ou ao prologamento da hora de almoço, por exemplo; ser muito mais fácil manter a concentração em casa por haver menos distrações.

A experiência não só permitiu o aumento da produtividade como foi positiva tanto para os trabalhadores como para a gerência. A taxa de abandono da empresa teve uma queda de 50% ,permitindo que os gerentes poupassem tempo em contratar novos funcionários e dar fromações uma vez que os funcionários que trabalhavam a partir de casa sentia-se mais felizes e, portanto, menos propensos a sair.

Estes resultados obtidos na experiência coincidem com os de uma sondagem da Gallup, que revelou que os americanos que trabalhavam em casa três a quatro dias por semana tinham mais probabilidades – 41% contra 30% – de se sentirem mais envolvidos no trabalho e menos probabilidades de não se sentirem envolvidos – 48% contra 55% – do que aqueles que ficavam no escritório todos os dias.

Este artigo foi publicado originalmente na Visão

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?