in

Filmes de Sérgio Graciano e João Vladimiro estreiam-se na quinta-feira

Lisboa, 05 ago 2020 (Lusa) – A longa-metragem “A impossibilidade de estar só”, de Sérgio Graciano, e a curta “Anteu”, de João Vladimiro, estreiam-se na quinta-feira nos cinemas.

“A impossibilidade de estar só” é um drama de ficção interpretado por Laura Dutra e Bruna Quintas, no papel de duas jovens adultas, amigas, ambas a braços com dramas pessoais, e uma delas obrigada a viver confinada por ter uma doença grave.

O filme, centrado apenas naquelas duas personagens, segue uma viagem que fazem de carro até Porto Covo, porque uma delas combinou encontrar-se com João, que conheceu na Internet.

Além de “A impossibilidade de estar só”, Sérgio Graciano conta ainda estrear este ano nas salas de cinema dois outros filmes: “O som que desce da terra”, em setembro, e “Salgueiro Maia – O implicado”, em outubro.

Tanto “A impossibilidade de estar só” como “O som que desce da terra” assinalam ainda a estreia da argumentista Joana Andrade na escrita para cinema — o segundo em parceria com Filipa Poppe – depois de assinar o enredo de várias telenovelas e séries de ficção, entre as quais “Pai à força”, “Rainha das flores” e “Nazaré”.

Sérgio Graciano trabalha sobretudo em televisão, tendo o nome associado, por exemplo, à série “Conta-me como foi”, às telenovelas “Laços de Sangue” e “Prisioneira”, e ao programa “Último a sair”.

Em 2020, estreou a primeira longa-metragem de ficção, “Assim Assim” (2010), à qual se sucederam “Uma vida À espera” (2016), “Perdidos” (2017) e “Linhas de sangue” (2018).

De acordo com o portal IMDB, Sérgio Graciano tem ainda para estrear a longa “O protagonista”, coassinada com Marco Medeiros, e é indicado para a realização da série de ficção “A Generala”, da produtora Coral Europa.

Quinta-feira estreia-se também, no cinema Trindade, no Porto, a curta-metragem “Anteu”, de João Vladimiro.

Já exibido em vários festivais de cinema, entre os quais o Curtas de Vila do Conde e o de Roterdão, nos Países Baixos, “Anteu” é um regresso de João Vladimiro à aldeia beirã de Covas do Monte, onde rodou a longa-metragem “Lacrau” (2013).

Combinando ficção e “realismo documental”, João Vladimiro conta a história de Anteu, um adolescente que se torna no último habitante da aldeia onde vive.

Na nota de imprensa, João Vladimiro explica que a ideia do filme se desenvolveu depois da “experiência intensa” de estar próximo da comunidade de Covas do Monte, e reflete a relação dos habitantes naquele meio e em contacto com a natureza.

Na escrita de argumento, João Vladimiro contou com Frederico Lobo e Luís Palito. A narração é do escritor Gonçalo M. Tavares.

João Vladimiro é ainda autor, entre outros, de “Pé na Terra” (2006) e “A Lã e a Neve” (2014).

Deixe uma resposta

Loading…

0

OE2020: Endividamento do 1.º semestre próximo do previsto para todo o ano – UTAO

ERSE multa Iberdrola em mais de 33 mil euros por mudança de comercializador