Obrigado por visitar o Informa+

Utilizamos cookies para melhorar a experiência do utilizador, fornecer funcionalidades de redes sociais, personalizar conteúdos, anúncios e analisar o tráfego no site. Consente? Pode alterar as suas definições de cookies em qualquer altura.

PUB
Categories: Atualidade
| Em
10/02/2020 15:48

Frente Comum diz que proposta de aumentos para a função pública “não acrescenta” nada

Por Lusa

Lisboa, 10 fev 2020 (Lusa) – A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila, afirmou hoje que a nova proposta do Governo de aumentos salariais na função pública “não acrescenta” nada aos dez anos de congelamento salarial e abriu a porta a novas formas de luta.

PUB

Em declarações aos jornalistas no final de uma reunião no Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública, Ana Avoila, considerou que a disponibilidade do Governo em aumentar em cerca de 1% (mais sete euros por mês) os salários da função pública até aos 683 euros não é suficiente.

Referindo que “o Governo tem muitos milhões de euros no Orçamento do Estado que vai gastar”, Ana Avoila precisou que, com esta proposta de aumento de sete euros para os funcionários públicos que se encontram nos dois patamares mais baixos da Tabela Remuneratória Única (TRU) e a manutenção de uma atualização salarial de 0,3% para os restantes, indica que pretende “deixar os trabalhadores para segundo plano”.

A coordenadora da Frente Comum adiantou que não irá apresentar uma contraproposta porque até ao momento o Governo nunca respondeu à proposta inicial da Frente Comum, que apontava para um aumento mínimo de 90 euros por trabalhador em 2020.

Ainda que tenha registado abertura por parte do Governo para prosseguir as negociações — algo que acontecerá já na próxima segunda-feira, dia para o qual foi marcada uma nova reunião — e tenha registado que “o Governo teve de se chegar à frente”, na sequência da greve geral da função pública realizada dia 31 de janeiro, a dirigente sindical entende que a proposta “não é suficiente”.

“O Governo tem de apresentar uma proposta credível que recupere o poder de compra”, afirmou, para acrescentar que a Frente Comum vai convocar um plenário de sindicatos para o final deste mês, onde deverão ser aprovadas formas de luta.

PUB
Receba notícias de última hora e informações importantes sobre Portugal e o mundo, basta clicar gosto ➜  
Partilhar
Mais informação sobre: Trabalhadores
PUB
Comente. Dê a sua opinião
PUB