in

Galp iniciou processo de rescisões e pré-reformas para 200 trabalhadores

Lisboa, 18 jun 2020 (Lusa) — A Galp iniciou um programa de rescisões e pré-reformas que vai abranger cerca de 200 trabalhadores, o que corresponde a cerca de 3% do pessoal do grupo, confirmou hoje a petrolífera.

Depois dos representantes dos trabalhadores terem denunciado a existência de um plano social, fonte oficial da Galp confirmou à agência Lusa que serão abrangidas pelo plano de redução cerca de 200 pessoas, o que corresponde a cerca de 3% dos trabalhadores do Grupo, nos vários países onde a Galp tem atividade, “sendo a grande maioria através de pré-reformas”.

A Comissão Central de Trabalhadores (CCT) da Petrogal acusou a Galp de estar a esvaziar a empresa com um programa de rescisões e pré-reformas, que está a ser apresentado individualmente desde a semana passada.

Este órgão representativo dos trabalhadores da petrolífera emitiu um comunicado a denunciar que a administração da Galp lançou mais um “Plano Social” que consiste em pré-reformas e rescisões por mútuo acordo.

“O Plano Social representa o esvaziamento da empresa, que […] conduz a mais prestações de serviço, à substituição de trabalhadores da empresa por terceiros, à concentração de mais tarefas num número de trabalhadores cada vez mais reduzido”, considerou a CCT.

Hélder Guerreiro, da CCT da Petrogal, disse à agência Lusa que os representantes dos trabalhadores ainda não foram informados oficialmente mas que os selecionados começaram a ser chamados, um de cada vez, aos recursos humanos na semana passada para lhes ser proposta a rescisão ou a pré-reforma.

A pré-reforma foi proposta a trabalhadores com mais de 55 anos que, se aceitassem, ficariam a receber 75% da remuneração.

Para as rescisões por mútuo-acordo a Galp terá proposto compensações de 1,8 salários por cada ano de serviço.

Apesar de a empresa ainda não ter respondido às questões da CCT relativas ao Plano Social, Hélder Guerreiro estimou que fossem abrangidos cerca 240 trabalhadores pela redução, maioritariamente da Petrogal.

No final do mês de abril, a CCT da Petrogal insurgiu-se contra a distribuição de dividendos aos acionistas da Galp e apelou, sem sucesso, ao Governo para que não caucionasse o procedimento.

Para a CCT, a redução de pessoal é já “o impacto da distribuição de dividendos aos acionistas em plena pandemia”.

Mas para a petrolífera liderada por Carlos Gomes da Silva a justificação é a quebra do mercado.

“No contexto pós-covid, desafiante para a economia global e em particular para o setor energético, a Galp iniciou alguns ajustamentos da sua força de trabalho ao novo ambiente económico”, afirmou fonte oficial da empresa numa pequena declaração escrita.

O confinamento para combater a propagação da pandemia levou a uma quebra de 50% da produção petrolífera nos meses de abril e maio.

Comparando os primeiros cinco meses 2020 com o período homólogo, o consumo de gasolina em Portugal desceu cerca de 103,5 mil toneladas (menos 24,0%), o gasóleo diminuiu 352,9 mil toneladas (menos 17,2%), e o jet (da aviação) 270,7 mil toneladas (menos 46,8%).

Deixe uma resposta

Loading…

0

Covid-19: Madeira regista mais um caso depois de 42 dias sem novos infetados

Processo de indemnização a 75 feridos graves nos incêndios de 2017 praticamente concluído