in

Governo acusa PSD de ser responsável por suspender linha do Metro de Lisboa

Lisboa, 05 fev 2020 (Lusa) – O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, acusou hoje o PSD de ser o responsável pelas consequências da suspensão da construção da linha circular do Metro de Lisboa, sublinhado que o projeto já está em curso.

O governante falava no plenário durante o debate na especialidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), em reação às propostas do PCP e do PAN aprovadas durante a madrugada no sentido de suspender o processo de construção da linha circular do Metropolitano de Lisboa.

“Esta obra está em curso e os senhores vão ser responsáveis [….] por perda de fundos comunitários e por pagar indemnizações aos empreiteiros”, disse Duarte Cordeiro.

A proposta do PCP que defende que seja dada prioridade à estação da rede metropolitana até Loures, bem como para Alcântara e zona ocidental de Lisboa, foi aprovada com votos a favor do PSD, BE, PCP, CDS, PAN e Chega, a abstenção da Iniciativa Liberal e o voto contra do PS.

Já a do PAN obteve os votos favoráveis do PSD, BE, PCP e Chega, os votos contra do PS e da Iniciativa Liberal e a abstenção do CDS.

“Do PSD esperávamos um pouco mais”, disse Duarte Cordeiro, acrescentando que o estudo que a proposta aprovada prevê já existe e que “a obra já está em curso” e por isso terá consequências.

A suspensão do processo “implica provavelmente o pagamento de fortes indemnizações” aos empreiteiros e arrisca a perda de “centenas de milhões de euros de fundos comunitários”, disse o secretário de Estado.

Além disso, vai suspender o projeto “no mínimo por três anos”, acrescentou Duarte Cordeiro, apelando ao “bom senso”.

O deputado do PSD, Carlos Silva, afirmou que “não há obra nenhuma” em curso e precisou que a aprovação destas propostas impede que o Governo “transforme o metro numa espécie de carrossel para turistas”.

Deixe uma resposta

Loading…

0

António Costa e presidente do PE “muito em sintonia” sobre orçamento da UE

Estudo avalia efeitos do terrorismo na Europa e no turismo em Portugal