in

Governo: Marcelo não fez “o mínimo reparo” quando Costa propôs João Leão para as Finanças

Lisboa, 15 jun 2020 (Lusa) – O Presidente da República revelou hoje não ter feito “o mínimo reparo” quando o primeiro-ministro propôs o nome de João Leão para ministro das Finanças, por entender que corresponde “à continuação da mesma linha” de Mário Centeno.

Questionado pelos jornalistas, nas instalações da RTP, em Lisboa, sobre o que espera do novo ministro de Estado e das Finanças, a quem hoje deu posse, Marcelo Rebelo de Sousa reiterou que espera que João Leão “siga a linha do seu antecessor”.

“Quando o nome me foi apresentado pelo senhor primeiro-ministro, não houve o mínimo reparo da minha parte, e a primeira razão foi muito simples: era um colaborador muito próximo do ministro cessante, numa pasta fundamental que é o Orçamento, em que é essencial para o futuro fazer um equilíbrio difícil que é enfrentar esta crise, mas enfrentar de tal maneira que não se perca a noção de que o Orçamento é importante”, acrescentou.

O chefe de Estado, que falava depois de ter dado uma aula em direto para o projeto de ensino à distância #EstudoEmCasa, referiu que Portugal já passou pela experiência de entrar “em derrapagem orçamental” e salientou que quando isso acontece “de forma sustentada ou duradoura tem depois outros custos”.

“O facto de ser alguém que corresponde à continuação da mesma linha política em matéria financeira e orçamental a mim pareceu-me muito importante”, reforçou.

Logo no dia em que foi conhecida a saída de Mário Centeno do Governo, a seu pedido, e a sua substituição pelo até então secretário de Estado do Orçamento, João Leão, na terça-feira da semana passada, Marcelo Rebelo de Sousa mostrou-se confiante de que “não haverá mudança de rumo” em matéria de política orçamental e considerou que “isso é importante”.

Em declarações aos jornalistas, em Cascais, o chefe de Estado argumentou que, “pela própria lógica de ter, durante quatro anos e meio, colaborado diretamente com o ainda ministro Mário Centeno”, o novo ministro das Finanças, João Leão, dá “uma garantia de continuidade que é fundamental”.

Sugestões para ti