Governo podia ter contratado 3.000 médicos com dinheiro pago a prestadores de serviço

Detectámos que tem um Ad Block ativo

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o Ad Block (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

O Governo teria conseguido contratar mais de 3.000 médicos para o Serviço Nacional de Saúde com os 120 milhões de euros que terá despendido no ano passado com empresas de serviços médicos, estima a Ordem dos Médicos.

As contas da Ordem dos Médicos (OM) foram divulgadas pelo bastonário numa sessão promovida ao fim do dia de terça-feira no parlamento pelo Bloco de Esquerda sobre o novo regime jurídico da formação médica.

Segundo as contas da OM, o Ministério da Saúde teria conseguido contratar 3.048 médicos a trabalhar 40 horas semanais com o dinheiro que em 2017 se estima que gastou em empresas prestadoras de serviços médicos.

O bastonário dos Médicos, Miguel Guimarães, calcula que faltem 5.500 médicos especialistas no Serviço Nacional de Saúde (SNS), lembrando que muito do trabalho tem sido atualmente feito à custa dos médicos internos, ainda em formação, que têm servido para “tapar muitos buracos”.

Para chegar aos 5.500 médicos, a OM somou o número de clínicos que daria para contratar com o que terá sido pago a empresas médicas mais o volume de pagamentos em horas extraordinárias aos profissionais. A Ordem calcula que 21,4% dos pagamentos aos médicos são horas suplementares ou extra.

Sobre a insuficiência de especialistas, a OM refere que há 18 mil médicos especialistas no SNS e mais de 10 mil internos, o que dá uma relação de um especialista para cada sete internos.

Para o bastonário, a escassez de especialistas dificulta a capacidade de formar mais jovens médicos em Portugal, até porque a esmagadora maioria de internos são formados no SNS.

Recomendações

Recomendações

Comente, dê a sua opinião!