Grávida que fez sessão fotográfica com 20 mil abelhas perde bebé

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Emily Mueller, que ficou conhecida em agosto por ter protagonizado uma sessão fotográfica com 20 mil abelhas, em Olhio, nos EUA, perdeu o bebé.

De acordo com a mesma, os médicos garantiram que o aborto nada tem a ver com os insectos.

“Tantas pessoas aguardaram a chegada do nosso querido bebé depois da sessão fotográfica que fiz com as abelhas. Mas Jesus decidiu que precisava do teu próprio apicultor e levou o nosso filho querido de volta para o céu.

Os nossos corações estão partidos e muito tristes”, escreve Emily na sua página de Facebook.

A norte-americana, de 33 anos, tem outros três filhos e reparou que algo estava errado quando deixou de sentir o bebé.

Grávida que fez sessão fotográfica com 20 mil abelhas perde bebé

“Na noite de quinta-feira (9 de novembro) percebi que não tinha sentido o Emersyn durante o dia. E estava a sentir umas contrações diferentes das contrações que eu já tinha tido.

No início disse a mim própria que ele estava apenas a dormir, mas com o passar das horas, comecei a ver que algo de errado tinha acontecido”, contou nas redes sociais a apicultora.

Foi aí que Emily e o marido decidiram ir ao hospital. E quando os médicos fizeram a ecografia, repararam que o coração do bebé já não batia. Emersyn morreu poucos dias antes do parto.

A placeta foi enviada para testes para descobrir a razão para a morte do bebé, mas tudo indica que tenha sido um distúrbioa de coagulação de sangue que já causou outros abortos em mulheres da família de Emily.

Sessão fotográfica com milhares de abelhas

Em agosto, Emily fez uma sessão fotográfica com 20 mil abelhas. Na altura a apicultora contou que sempre se sentiu confortável col estes insectos e que quis mostrar o quão gentis as abelhas podem ser.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

Qual a sua opinião?