Greve no McDonald’s: trabalhadoras queixam-se de assédio sexual

Detectámos que tem um Ad Block ativo

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o Ad Block (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Mulheres que trabalham em restaurantes do McDonald’s nos Estados Unidos estão fartas de assédio sexual por parte de supervisores e querem que a empresa tome medidas sérias porque quando se queixam são ignoradas pelos gerentes ou até castigadas.

Para já, fartas de serem apalpadas por chefes que lhes pedem sexo e se exibem no próprio local de trabalho, trabalhadoras de restaurantes de dez cidades americanas vão fazer greve no próximo dia 18, terça-feira, para pressionar a empresa a resolver o problema, como revelou a Associated Press.

Trata-se da primeira greve laboral que atinge uma empresa dos EUA relacionada com o movimento #MeToo, nota a publicação online Vox, um ano depois de alegações contra o produtor de cinema Harvey Weinstein ter levado centenas de mulheres a denunciar as suas experiências em que foram ou são vítimas de assédio sexual.

“Queremos mudar a cultura no McDonald’s”, avisou a advogada Mary Joyce Carlson, em declarações ao Politico. “E, ao fazer isso, mudar a cultura na indústria de fast food”, apontou a jurista associada à campanha por direitos laborais “Fight For $15”, que defende o pagamento de 15 dólares por hora (cerca de 12,90 euros) para trabalhadores de setores como o fast food, lojas de conveniência e de aeroportos, postos de abastecimentos, atendimentos domiciliares e de cuidados com crianças, entre outros.

Em maio passado, revela a Vox, dez mulheres apresentaram queixas de assédio sexual contra restaurantes do McDonald’s na Comissão da Igualdade de Oportunidades de Emprego dos EUA. Algumas dessas mulheres estão agora a organizar a paralisação em conjunto com o Time’s Up Legal Defense Fund, um grupo de assistência jurídica para trabalhadores que sofrem assédio sexual, e o Fight for $ 15, grupo de pressão que luta por salários mais altos na indústria de fast food.

Sem conseguir antecipar quantas e quantos funcionários participarão na greve, a AP avança que centenas de mulheres votaram a favor da greve em “comissões de mulheres” recém-formadas em dezenas de restaurantes da cadeia McDonald’s.

Este artigo foi publicado originalmente no Diário de Notícias

Recomendações

Recomendações

Comente, dê a sua opinião!